Otto Vieira… o Mandrake de Guayaquil

Tags

, , ,

Quem é esse tal de Otto Vieira? Que credenciais ele apresenta? Aos interessados podemos garantir que o futebol sempre foi sua grande paixão, tanto no tempo das “calças curtas” como no tempo de adulto, na Aeronáutica.

Foi assim que o artigo publicado na Revista O Globo Sportivo, edição de número 632, ofereceu aos leitores um breve apanhado da carreira do então emergente treinador, que fez um enorme sucesso no comando das equipes de base do Fluminense Football Club (RJ).

Sempre lembrado como um competente descobridor de talentos, Otto Vieira nasceu no dia 12 de agosto de 1923, em Vargem Alegre (RJ), embora algumas fontes apontem o seu nascimento para o dia 2 de agosto de 1921, no Rio de Janeiro (RJ).

Mais conhecido no futebol equatoriano como “Mandrake”, Otto Vieira trabalhou inicialmente nas fileiras amadoras do Canto do Rio Foot-Ball Club (RJ), quando revelou o médio-direito Eli do Amparo, que anos mais tarde brilhou no Vasco da Gama.

Em seguida, Otto Vieira viveu uma boa fase no Clube de Regatas do Flamengo (RJ), onde também atuou como Auxiliar Técnico de Flávio Costa, inclusive como o responsável pela aprovação de Zizinho (Thomaz Soares da Silva) em 1939.

Na foto, Otto Vieira aparece ao lado do jovem zagueiro Pinheiro, considerado como uma das maiores revelações do clube na temporada de 1948. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 612 – 29 de dezembro de 1949.
Ondino Viera deixa o Fluminense e Otto Vieira assume o comando técnico do quadro das Laranjeiras. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 647 – 31 de agosto de 1950.

No Fluminense, o trabalho de Otto Vieira foi um verdadeiro primor. Participou da conquista do tricampeonato carioca da categoria juvenil em 1947, 1948 e 1949, sem esquecer do seu magnífico desempenho no Selecionado Carioca Juvenil que faturou o Campeonato Brasileiro de Seleções em 1948.

Com o prestígio em alta, Otto Vieira dirigiu o escrete canarinho juvenil e faturou o 1º Campeonato Sul-Americano da Juventude em 1949, um feito importante que o colocou em um patamar mais elevado.

Foi o suficiente para que no raiar do segundo semestre de 1950, seu nome fosse lembrado pela diretoria do Fluminense, que naquele momento procurava por um substituto para o lugar de Ondino Viera no time principal.

Ancorado na experiência adquirida pela convivência com Ondino Viera e Flávio Costa, Otto Vieira parecia estar pronto para levar o Fluminense ao título do campeonato carioca, algo distante do clube desde 1946.

“Mas, Otto Vieira não teve sorte no quadro principal do Fluminense. O time vinha de um vice-campeonato carioca e os jogadores novos ainda não tinham atingido um nível de produção satisfatório, enquanto os veteranos oscilavam” (Revista O Globo Sportivo número 677 – 2 de fevereiro de 1952).

Pelas mãos de Otto Vieira passaram grandes valores; como o goleiro Veludo, Lafaiete, Pinheiro, Quincas, Robson, Tite, Telê Santana e tantos outros, o que atesta sua enorme capacidade no desenvolvimento de jovens promessas. Crédito: revista O Globo Sportivo número 632.
Um “expert” na arte de descobrir talentos nas categorias amadoras, Otto Vieira não obteve os resultados esperados ao assumir o time principal do Fluminense no segundo semestre de 1950. Crédito: revista O Globo Sportivo número 632.

A sequência de sua caminhada é um tanto confusa, o que dificultou bastante o estabelecimento de uma ordem cronológica confiável, já que o trabalho nas categorias de base não apresenta uma divulgação na mesma proporção de importância do ambiente profissional.  

É certo que Otto Vieira deixou o Fluminense entre o findar de 1950 e o início de 1951, como também é certo que orientou o Flamengo no Torneio Extra do Rio de Janeiro em 1952. (*) Alguns registros apontam também uma breve passagem pelos times de base do Vasco da Gama (RJ).

Posteriormente passou muito bem pelo Santa Cruz (PE), equipe que comandou no período entre 1954 e 1955. Na temporada de 1956 firmou compromisso com o Clube Náutico Capibaribe (PE), lá permanecendo até 1957.

No disputado cenário paulista (décadas de 1960 e 1970), Otto Vieira trabalhou no Araçatuba (1977), Botafogo de Ribeirão Preto (1957), Francana, Guarani de Campinas, Juventus (1968), Portuguesa de Desportos (1959), Portuguesa Santista (1966) e São Paulo (1964).

Sua experiência internacional foi iniciada no Futebol Clube do Porto (Portugal) entre 1959 e 1961. Mais tarde passou pelo Club de Fútbol Atlante (México) e pelo Millonarios Fútbol Club de Bogotá (Colômbia) em 1969.

Respaldado por uma boa estrutura familiar, Otto Vieira foi um profissional seguro e sereno, mesmo nas adversidades comuns ao mundo da bola. Crédito: revista O Globo Sportivo número 632.
O bom trabalho no Fluminense e no selecionado carioca juvenil. Crédito: reprodução revista O Globo Sportivo número 677 – 2 de fevereiro de 1952.

Abaixo, uma das participações de Otto Vieira no comando do Clube Atlético Juventus na disputa do campeonato paulista de 1968. O time do bairro da Mooca jogou bem, mas Pelé desequilibrou o jogo:  

24 de abril de 1968 – Campeonato paulista – Segundo turno – Santos 3×2 Juventus – Estádio da Vila Belmiro – Santos (SP) – Árbitro: José Favilli Neto – Gols: Lima e Pelé (2) para o Santos; Andes e Hamilton para o Juventus.

Santos: Cláudio; Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Joel Camargo e Rildo; Clodoaldo e Lima; Toninho (Negreiros), Douglas, Pelé e Edu. Técnico: Antoninho. Juventus: Cabeção; Chiquinho, Milton, Fernando e Lauro; Beneti (Hamilton) e Brecha; Luisinho, Andes, Antoninho (Giba) e Valdir. Técnico: Otto Vieira.

A passagem pelo Barcelona Sporting Club da cidade de Guayaquil (Equador) foi marcante. Otto Vieira conquistou o bicampeonato equatoriano em 1970/1971 e depois em 1980. Até hoje seu nome é lembrado com muito carinho e respeito pelos torcedores locais.

Ainda no futebol equatoriano, o “Mandrake” comandou o 9 de Octubre Fútbol Club e o Club Deportivo Everest. Otto Vieira faleceu na cidade do Rio de Janeiro (RJ) em 11 de agosto de 1991.

No cromo 168 do Álbum de Figurinhas Ídolos do Futebol Brasileiro, Otto Vieira aparece na página do Santa Cruz (PE), equipe que comandou no período entre 1954 e 1955. Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.
O técnico Otto Vieira no comando do Araçatuba (SP) em 1977. Foto de José Pinto. Crédito: revista Placar número 366 – 29 de abril de 1977.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Mílton Ivan, José Maria de Aquino e José Pinto), revista do Esporte, revista Esporte Ilustrado (por Charles Guimarães e Mauro Pinheiro), revista O Cruzeiro, revista O Globo Sportivo (por Carlos Areas e Carlos Belmonte), Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal dos Sports, acervosantosfc.com (por Gabriel Santana), campeoesdofutebol.com.br, site do Milton Neves, albumefigurinhas.no.comunidades.net.