Manoelzinho… o meu sonho é jogar pelo Atlético Mineiro

Tags

, , ,

“Eu sou um sujeito complexado”. A afirmação, um tanto surpreendente, partiu naturalmente durante uma reportagem publicada em uma revista esportiva de grande circulação na época!  

Na Gávea, Manoelzinho ficou conhecido pelos companheiros como “Baixote” ou “Caroço”, apelidos que certamente foram originados pela baixa estatura e pelas incômodas acnes no rosto.

O jovem mineirinho não gostou da brincadeira e foi repreender o zagueiro Jadir. O certo é que Manoelzinho não estava confortável no Rio de Janeiro, tanto que nunca escondeu o desejo reprimido de jogar no Atlético Mineiro.

Famoso no mundo da bola como “Manoelzinho”, o mineiro Manoel José Dias nasceu no município de Montes Claros em 25 de janeiro de 1940.

Na infância, o pequenino Manoelzinho trabalhava duro no açougue São João, de propriedade do pai, o senhor Manoel Dias da Silva, um comerciante popular e muito respeitado na região.

Na Gávea, Manoelzinho ficou conhecido pelos companheiros como “Baixote” ou “Caroço”, apelidos que certamente foram originados pela baixa estatura e pelas incômodas acnes no rosto! Crédito: revista do Esporte.
Treino do Flamengo. Partindo da esquerda; Dequinha, Manoelzinho e Espanhol. Crédito: revista do Esporte número 105 – 11 de março de 1961.

Ganhava uma pequena quantia semanal de 20 cruzeiros, o suficiente para tomar um sorvete e bancar o cinema no final de semana. A caminhada no futebol foi iniciada anos depois, no juvenil do Ateneu de Montes Claros.

Em 1957, o Flamengo foi disputar um amistoso contra o Ateneu, oportunidade em que o técnico do Rubro-Negro Fleitas Solich ficou maravilhado com o futebol de Manoelzinho.

Sem perder tempo, Fleitas Solich solicitou o total empenho da diretoria para contratar o atacante do time mineiro. Assim, Manoelzinho foi apresentado na Gávea e assinou um “contrato de gaveta” para receber 4 mil cruzeiros mensais.

Trabalhando muito para ser titular, a recompensa aconteceu no dia 11 de maio de 1958, no Maracanã. Manoelzinho entrou no lugar de Henrique no intervalo e foi o autor do gol da vitória do Flamengo por 1×0 diante da Seleção Brasileira, jogo de preparação do escrete para o mundial da Suécia!

Contratado pelo Corinthians, Manoelzinho deixou o Flamengo em 1961. Com a camisa do Rubro-Negro, o atacante fez parte do elenco campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1961.

Em clima de grande expectativa, Manoelzinho foi apresentado no Parque São Jorge! Crédito: gazetaesportiva.com.
Beirute e Manoelzinho no Parque São Jorge. Crédito: reprodução revista do Esporte número 168.

Ao todo foram 47 compromissos disputados; com 35 vitórias, 8 empates, 4 derrotas e 32 gols marcados. Os números foram publicados no Almanaque do Flamengo, dos autores Clóvis Martins e Roberto Assaf.   

Todavia, tão logo chegou no Corinthians, Manoelzinho sofreu um bocado no time que ficou conhecido como “Faz Me Rir”, o título de uma música de grande sucesso da cantora Edith Veiga.

Conforme publicado na obra do autor Celso Dario Unzelte “Timão 100 Anos”, nas primeiras 11 rodadas do campeonato paulista, o combalido quadro alvinegro colecionou 7 derrotas, 2 empates e apenas 2 vitórias.

A diretoria até que tentou dar um jeito na situação trocando o treinador e alguns jogadores no andamento da competição. Porém, pouco resolveu!

O Corinthians ficou entre os últimos colocados no fim do primeiro turno. A tão esperada reação só aconteceu no segundo turno, com uma sexta colocação na tábua final de classificação.

Uma das formações ofensivas do Corinthians na temporada de 1962. Partindo da esquerda; Espanhol, Manoelzinho, Beirute, Rafael e Neves. Crédito: revista do Esporte número 196 – Março de 1962.
Falta de sorte? Embora agradecido ao Corinthians, Manoelzinho sonha com uma nova oportunidade no cenário carioca! Crédito: revista do Esporte número 233 – 24 de agosto de 1963.

Manoelzinho permaneceu no Parque São Jorge até o segundo semestre de 1965, quando seus direitos foram negociados com o Bangu Atlético Clube (RJ). Pelo Corinthians foram 110 jogos e 54 gols marcados.

Conforme publicado na revista do Esporte número 349 – de 13 de novembro de 1965 – quando já era jogador do Bangu Manoelzinho disparou acusações contra o técnico do Corinthians, o afamado Oswaldo Brandão:

“Eu não queria continuar no Corinthians com um treinador que perseguia alguns jogadores… O Brandão não tocava no Silva, pois ele estava em grande fase e custou uma fortuna… Mas o Ari Clemente, o Augusto, o Maciel e o Nei sofreram demais”.

No Bangu, Manoelzinho realizou apenas 10 jogos; com 5 vitórias, 2 empates, 3 derrotas e 4 gols marcados. Os registros foram divulgados no site “bangu.net”. Algumas fontes apontam também uma passagem pelo São José (SP) em 1971.

Em razão de um coágulo no cérebro, Manoel José Dias faleceu no findar de maio de 2004, na cidade de Montes Claros (MG).

Com o Morumbi ainda em construção. Partindo da esquerda; Davi, Manoelzinho e Silva. Crédito: revista do Esporte número 241 – 1963.
Como jogador do Bangu, Manoelzinho disparou acusações contra o técnico do Corinthians, o afamado Oswaldo Brandão! Crédito: revista do Esporte número 349 – 13 de novembro de 1965.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Carlos Henrique Amoedo, Celso Kinjô e Mário Sérgio Della Rina), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Esporte, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal dos Sports, bangu.net, campeoesdofutebol.com.br, corinthians.com.br, flamengo.com.br, gazetaesportiva.com, site do Milton Neves (por Rogério Micheletti – Participações de Christiano Jilvan do Jornal de Notícias de Montes Claros/MG e José Wellington Ferreira Fonseca), Almanaque do Corinthians – Celso Dario Unzelte, Almanaque do Flamengo – Clóvis Martins e Roberto Assaf, Livro: Timão 100 Anos – Celso Dario Unzelte – Editora Gutenberg, albumefigurinhas.no.comunidades.net.