Dé… pá de cal no Real Madrid

Tags

, , ,

Qual o segredo da defesa do Palmeiras? Em outubro de 1970, o técnico Rubens Minelli não se fez de rogado e de forma categórica resumiu o assunto em poucas palavras: É proibido cruzar!

– “O maior diferencial de nossa retaguarda é a notável aplicação dos laterais Dé e Eurico. Se um avança o outro tem que ficar. É bem verdade que sem o fôlego do volante Dudu isso não seria possível”.

– “Os números não mentem! A maioria dos gols tem sua origem em investidas pelas extremas. Por isso, meus laterais procuram antecipar e minimizar espaços para evitar o risco dos cruzamentos na área”.

– “Contamos com um bom conjunto defensivo. Trabalhamos pesado para manter o ótimo entrosamento entre Baldochi e Nélson, uma dupla sempre atenta ao perigo dos contra-ataques, rebotes e infiltrações em velocidade”.

Para o repórter Narciso James, morreu assim qualquer esperança de arrancar do treinador esmeraldino um bom furo jornalístico. A reportagem foi publicada na revista Placar número 33, de 30 de outubro de 1970.

Álbum de figurinhas Bola de Prata. Cromo de Dé na página do Palmeiras. Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

O Palmeiras pronto para mais um desafio no Morumbi. Em pé: Neves, Nélson, Dudu, Dé, Luís Pereira e Neuri. Agachados: Copeu, Jaime, César, Ademir da Guia e Pio. Crédito: revista Placar – 1 de maio de 1970.

Também conhecido como “Dé”, o marcante lateral-esquerdo Ademar José Ribeiro nasceu no município de Guariba (SP), em 18 de fevereiro de 1940.

Exímio marcador e bom apoiador, o jovem Dé debutou no futebol no findar da década de 1950, nos quadros amadores da Associação Atlética Portuguesa Santista.

Sempre pelo corredor esquerdo, Dé até tentou brilhar inicialmente como meia-armador, mas logo descobriu o seu verdadeiro lugar como lateral-esquerdo.

Promovido ao elenco principal da “Briosa”, o jovem Dé ganhou maior espaço na temporada de 1965, mesmo ano da importante conquista do título da então Divisão Intermediária do futebol paulista, o equivalente a atual Série A-2.

Pretendido pelo Santos, Dé chegou a trabalhar por um lugar no esquadrão de estrelas do alvinegro praiano. Contudo, a transferência em definitivo esbarrou no alto preço estabelecido pela diretoria da Portuguesa Santista!

Os titulares da equilibrada retaguarda do Palmeiras em 1970. Partindo da esquerda; Eurico, Nélson, Baldochi e Dé. Foto de Lemyr Martins. Crédito: revista Placar – 30 de outubro de 1970.

Pela fase final da Taça de Prata de 1970, o Fluminense venceu o Palmeiras por 1×0 no Maracanã. No lance, Dé e Ademir da Guia pouco podem fazer diante da temida disparada de Cafuringa pela direita! Crédito: revista Placar.

Longe da Vila Belmiro, seus direitos foram negociados com o tricolor paulista em 1968. De acordo com o Almanaque do São Paulo, do autor Alexandre da Costa, Dé disputou ao todo 16 partidas; com 6 vitórias, 6 empates e 4 derrotas.

Contudo, não houve acordo para sua permanência no Morumbi. Assim, Dé foi surpreendido em 1969 com uma boa proposta dos “cartolas” do Palmeiras, seu período mais produtivo nos gramados.

Autor do gol da vitória sobre o Real Madrid por 2×0, placar que representou o título do Troféu Ramon de Carranza em agosto 1969, Dé também faturou o Torneio Roberto Gomes Pedrosa na mesma temporada.

31 de agosto de 1969 – Torneio Ramon de Carranza (Espanha) –  Real Madrid 0x2 Palmeiras – Estádio Ramon de Carranza – Árbitro: D’Agostini (Itália) – Gols: Zé Carlos aos 10’ do primeiro tempo e Dé aos 22’ do segundo tempo. (*) Com esse resultado o Palmeiras conquistou o título da competição.

Real Madrid: Bettancort; Calpe, De Felipe, Sanchis e Pirri; Zoco e Velázquez (Planelles); Amâncio, Grosso, Fleitas (José Luís) e Gento. Técnico: Miguel Muñoz. Palmeiras: Chicão; Eurico, Baldochi, Minuca e Dé; Zé Carlos e Ademir da Guia; Copeu, Jaime, Cardoso (César) e Serginho (Dudu). Técnico: Rubens Minelli.

Os calouros do alviverde na universidade! Partindo da esquerda; Fedato, Dé, Raul Marcel e Leão. Foto de Lemyr Martins. Crédito: revista Placar – 2 de abril de 1971.

Mirandinha e Dé no histórico “Derby” vencido pelo Corinthians por 4×3 no Morumbi em 1971. Crédito: revista Placar – Série Grandes Reportagens.

Em grande fase, o lateral-esquerdo continuou em evidência no esquema de jogo adotado pelo treinador Rubens Minelli. Posteriormente, Dé trabalhou também com Mário Travaglini e Oswaldo Brandão.

Vice-campeão paulista de 1971, Dé continuou firme nas fileiras do alviverde até perder completamente a condição de titular para o gaúcho José Luiz Ferreira Rodrigues, o popular “Zeca”.

Vestindo a camisa do Palmeiras, Dé disputou 127 jogos; com 72 vitórias, 31 empates, 24 derrotas e 5 gols marcados. Os números foram publicados pelo reconhecido Almanaque do Palmeiras, dos autores Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti.

De acordo com o site Terceiro Tempo (Seção Que Fim Levou) do jornalista Milton Neves, Dé ainda jogou pelo Esporte Clube Noroeste da cidade de Bauru.

Outras fontes apontam também para uma passagem pelo New York Cosmos dos Estados Unidos em 1975, um registro sem a devida comprovação nos históricos de pesquisa. Ademar José Ribeiro faleceu na cidade de Santos (SP), no dia 12 de abril de 1992.

O Palmeiras que em 1971 chegou ao vice-campeonato paulista! Em pé: Eurico, Leão, Luís Pereira, Minuca, Dé, Dudu e Ernani Matarazzo. Agachados: Edu, Leivinha, César, Ademir da Guia e Pio. Crédito: suplemento revista Stadion.

No dia 19 de setembro de 1971, o Flamengo venceu o Palmeiras por 2×1 no Morumbi, jogo válido pela primeira fase do campeonato nacional. Partindo da esquerda; Dudu, Ademir da Guia, Dé, Samarone, Nélson e o goleiro Leão. Foto de Lemyr Martins. Crédito: revista Placar – 8 de outubro de 1971.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Carlos Maranhão, Lemyr Martins, Michel Laurence e Narciso James), revista do Esporte, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista Stadion, Jornal A Gazeta Esportiva, campeoesdofutebol.com.br, gazetaesportiva.com, palmeiras.com.br, site do Milton Neves, Almanaque do Palmeiras – Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti, Almanaque do São Paulo – Alexandre da Costa, albumefigurinhas.no.comunidades.net.