Tags

, , ,

Em qualquer ramo de atividade, falar de profissionalismo significa, entre tantas coisas, aquele que exerce suas atividades com conhecimento, competência, ética e respeito.

Mas para definir a passagem de Alcir pelo Vasco da Gama, ainda é necessário incluir o imenso prazer de defender uma camisa por tanto tempo, como se fosse sempre a primeira vez!

O carioca da gema Alcir Pinto Portella Prates nasceu no dia 9 de maio de 1944.

Desde o início da década de 60, Alcir tentou por várias vezes realizar o sonho de ser aprovado nas seletivas do Club de Regatas Vasco da Gama.

Depois de tanto insistir, Alcir finalmente iniciou sua trajetória nas categorias amadoras do time de São Januário. Passou pelo infanto-juvenil e pelo juvenil antes de se firmar no quadro de Aspirantes em 1963.

Crédito: revista Placar.

Foto de Sebastião Marinho. Crédito: revista Placar – 15 de outubro de 1971.

Em 1964 recebeu suas primeiras oportunidades no elenco principal, como suplente do volante Maranhão. Colocado em um listão de dispensa, Alcir desanimou e não queria mais saber do futebol.

Arrumou emprego como caixa em uma loja e meses depois foi chamado para voltar. Continuou lutando por um lugar no time até ser emprestado ao Bonsucesso Futebol Clube.

Em novo retorno ao Vasco, seu futebol foi aproveitado pelo técnico Paulinho de Almeida.

Querido dentro do clube, Alcir orientava os companheiros até nas renovações de contrato. Mais tarde, já como capitão, seu papel de orientador e conciliador era muito respeitado, até mesmo por jogadores de temperamento forte, como Brito e Fontana.

Integrante do elenco campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1966 e campeão carioca de 1970, Alcir foi determinante nos planos do técnico Mário Travaglini para a conquista do campeonato brasileiro de 1974.

Álbum de figurinhas Bola de Prata 1971. Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Crédito: revista Grandes Clubes Brasileiros.

O capitão Alcir permaneceu no Vasco até o mês de agosto de 1975, um total de 508 partidas disputadas, o que o torna um dos maiores recordistas em participações pelo clube.

Alcir jogou ainda pelo Operário Futebol Clube (MS), antes de encerrar sua carreira como jogador profissional.

Como treinador, Alcir trabalhou principalmente em equipes do Mato Grosso e do Rio de Janeiro, onde comandou o Olaria e o Campo Grande.

Novamente no Vasco, Alcir permaneceu por um longo período nas funções de Auxiliar Técnico e Supervisor, inclusive fazendo parte da comissão técnica nos títulos brasileiros de 1989, 1997 e 2000.

Foto de Zeka Araujo. Crédito: revista Placar – 30 de novembro de 1973.

Alcir não vira de costas na barreira do Vasco. Foto de Zeka Araujo. Crédito: revista Placar – 30 de novembro de 1973.

A grande mágoa de Alcir foi ter sido demitido pelo presidente Eurico Miranda, uma saída traumática depois de tantos anos de serviços prestados ao Vasco.

Então, sua principal ocupação era visitar os amigos na quadra da Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, onde também fazia parte da direção de harmonia.

Alcir Pinto Portella Prates faleceu em 29 de agosto de 2008, depois de uma longa batalha contra um câncer de próstata.

Há quem diga que ele se foi de tristeza por ter deixado São Januário, uma verdadeira extensão de sua existência.

E a importância de Alcir pode ser comprovada em vários depoimentos publicados na revista Placar. Para o ponteiro esquerdo Luís Carlos da Silva Lemos, o Vasco sem Alcir não era o Vasco. Para o técnico Mário Travaglini, Alcir era seu representante direto nas quatro linhas.

Alcir e a taça de campeão brasileiro de 1974. Crédito: blog.maismemoria.net.

Alcir no Operário. Foto de Ronaldo Kotscho. Crédito: revista Placar – 24 de junho de 1977.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Fausto Neto, José Trajano, Ronaldo Kotscho, Sebastião Marinho e Zeka Araujo), revista do Esporte, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista Manchete Esportiva, blog.maismemoria.net, campeoesdofutebol.com.br, gazetaesportiva.net, globoesporte.globo.com, netvasco.com.br, site do Milton Neves (por Marcelo Rozenberg), albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Publicidade