Tags

, , ,

Durante muitos anos, Abel tentou vencer no concorrido cenário carioca. Sempre dispensado em diversas tentativas, o esforçado rapazola não conseguia nem uma segunda oportunidade. 

Abel Verônico da Silva Filho nasceu na cidade do Rio de Janeiro (RJ), em 2 de outubro de 1941.

Em 1942 a família estabeleceu moradia em Raiz da Serra (RJ), não muito distante dos limites de Pau Grande; mesmo lugar onde despontou o sobrenatural Mané Garrincha!

Anos mais tarde, essa coincidência foi determinante na trajetória de Abel, quando realizou testes no Botafogo e por muito pouco não jogou ao lado do mesmo Garrincha.

O habilidoso Abel aplicou seus primeiros dribles jogando pelo Estrela Futebol Clube, uma equipe mantida por uma fábrica de pólvora do Exército, onde seu pai era funcionário.

Abel fez muito sucesso com a camisa do América. Crédito: revista do Esporte – 1963.

Crédito: revista do Esporte número 302 – 19 de dezembro de 1964.

A peregrinação aos grandes clubes começou aos 15 anos de idade, época em que tentou ser aprovado nas categorias amadoras do Flamengo, mas não teve sorte!

No ano seguinte, o destino promoveu o encontro casual da mãe de Abel com Garrincha em Raiz da Serra. Desse breve contato surgiu o convite para treinar no Botafogo.

Contudo, apesar da indicação de Garrincha, Abel também não foi aproveitado nas fileiras do time da “Estrela Solitária”. Um tanto decepcionado, o rapaz voltou ao time do Estrela e arrumou emprego no setor administrativo da fábrica de pólvora.

Quando prestava o serviço militar em Petrópolis, Abel foi encaminhado ao Fluminense pelo capitão de seu regimento. Novamente não obteve êxito!

Mas Abel não desistia. Em seu íntimo, algo dizia que o caminho seria difícil e tortuoso, porém compensador. A paixão pela bola o levou ao América, onde finalmente foi aprovado.

Crédito: revista do Esporte número 294 – 1964.

Orlando Peçanha ao lado de Abel. Crédito: revista do Esporte número 355 – 25 de dezembro de 1965.

E mais uma vez o destino colocou Garrincha em seu caminho. E como era difícil enfrentar o poderoso Botafogo daqueles tempos; bicampeão carioca de 1961 e 1962 e campeão do Torneio Rio-São Paulo nas edições de 1962 e 1964.

Abaixo, um dos últimos confrontos entre o laborioso América de Abel e o brilhante Botafogo de Garrincha e Zagallo:

12 de julho de 1964 – Campeonato carioca primeiro turno – Botafogo 0x0 América – Estádio do Maracanã – Árbitro: Gualter Portela Filho.

Botafogo: Manga; Joel, Zé Carlos, Paulistinha e Rildo; Élton e Gerson; Garrincha, Arlindo, Jairzinho e Zagallo. América: Ari; Luciano, Flodoaldo, Wilson Santos e Itamar; Carlos Pedro e João Carlos; Gilbert, Fernando Cônsul, Zézinho e Abel.

Como fruto dos conselhos de Garrincha, Abel ganhou coragem para tentar jogadas mais ousadas. Foram duelos inesquecíveis contra os grandes laterais da época; inclusive com Carlos Alberto Torres do Fluminense, seu futuro companheiro no Santos!

Crédito: revista do Esporte número 428 – 20 de maio de 1967.

O Santos no gramado do Morumbi. Em pé: Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Djalma Dias, Cláudio, Clodoaldo e Rildo. Agachados: Toninho Guerreiro, Negreiros, Edu, Pelé e Abel. Crédito: revista do Esporte.

Em 1965 seu caminho mudou de direção. Indicado por Ramiro Valente ao Santos Futebol Clube, o bom futebol de Abel foi uma grata surpresa ao técnico Lula.

Na mesma época, um jovem ponteiro-esquerdo da cidade de Jaú (SP) apareceu com bastante prestígio na Vila Belmiro. Edu (Jonas Eduardo Américo) jogava na mesma posição de Abel e dessa forma o técnico Lula colocou Edu pela ponta-direita.

Abel permaneceu nas fileiras do Santos até 1971. Ao todo foram 323 partidas disputadas com 29 gols marcados.

Pelo Santos, Abel faturou muitos títulos: Taça Brasil 1965, campeonato paulista 1965, 1967, 1968, 1969, Torneio Rio-São Paulo 1966, Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1968, Recopa Mundial e Recopa Sul-Americana, ambas em 1968.

Depois passou pelo Coritiba (PR), Londrina (PR) e Botafogo de Ribeirão Preto (SP); antes de ser transferido para o Atlas de Guadalajara, equipe onde encerrou a carreira em 1976.

Crédito: gazetaesportiva.net.

Abel com a camisa do Atlas do México. Crédito: revista Futbol – México.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Fábio Rocco Sormani), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Esporte, revista Esporte Ilustrado, revista Futbol, revista Manchete, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal dos Sports, Jornal Última Hora, acervosantosfc.com (por Gabriel Santana), campeoesdofutebol.com.br, dnasantastico.com, gazetaesportiva.net, globoesporte.globo.com, santosfc.com.br, site do Milton Neves.

Anúncios