Tags

, , , ,

Assim como o conterrâneo José Alves dos Santos, o famoso centroavante Zague, Eduardo Teixeira Lima foi outro grande atacante da “Boa Terra” que brilhou no futebol paulista.

Nascido no município de Serra Dourada (BA), em 31 de outubro de 1944, Lima começou sua trajetória em 1960, nos quadros amadores do Sport Club Corinthians Paulista.

Campeão paulista na categoria infantil em 1960, Lima conquistou também o Torneio Carlos Paeta em 1961 e foi vice campeão paulista juvenil em 1962.

A primeira participação no elenco principal aconteceu em 1962, diante da Ferroviária de Araraquara. Lima entrou na segunda etapa para substituir o ponteiro Lúcio.

Lima no gramado do Pacaembu. Foto de Jurandir Costa. Crédito: revista do Esporte – Abril de 1963.

Lima (direita) em mais uma jornada no Parque São Jorge. Crédito: revista do Esporte número 266 – 11 de abril de 1963.

Na época, além de Lúcio, o Corinthians contava com outras opções pela ponta esquerda; como Ferreirinha, que também jogava pela meia cancha, Neves e também Gelson.

Abaixo, uma importante participação de Lima no campeonato paulista de 1963, quando afastou a “zebra” juventina em pleno Parque São Jorge:

21 de julho de 1963 – Campeonato paulista – Corinthians 1×1 Juventus – Estádio Alfredo Schurig (Parque São Jorge) – Árbitro: Eunápio de Queiroz – Gols: Quarenta aos 4’ do primeiro tempo e Lima aos 38’ do segundo tempo.

Corinthians: Heitor; Augusto, Valmir e Ari Clemente; Amaro e Oreco; Davi, Nei, Silva, Ferreirinha e Lima. Juventus: Claudinei; Diógenes, Milton e Paulo; Francisco e Clovis; Célio, Quarenta, Valter Prado, Luisinho e Gelson.

Crédito: revista do Esporte número 266 – 11 de abril de 1963.

O Corinthians, campeão paulista de Aspirantes de 1964. Em pé: Neco, Mendes, Barbosinha, Édson Cegonha, Cláudio e Gilberto. Agachados: Sérgio Echigo, Manuelzinho, Osmar, Rivellino e Lima. Crédito: revista A Gazeta Esportiva Ilustrada número 267.

Campeão paulista de Aspirantes em 1964, Lima era um ponteiro característico de linha de fundo, que também colaborava como quarto homem de meio campo. Chutava bem e era um bom cobrador de faltas.

Ao lado do meia esquerda Bazzani, grande destaque da Ferroviária antes de chegar ao Corinthians, Lima encontrou um bom companheiro para os movimentos ofensivos pelo lado esquerdo.

Em 1965 iniciou sua jornada nos gramados da Colômbia. Primeiro foi emprestado ao Millonarios Fútbol Club de Bogotá, onde foi vice campeão nacional em 1967.

Em seguida, o ponteiro esquerdo passou rapidamente pelo Atlético Junior de Barranquilla, antes de retornar ao mesmo Corinthians.

Crédito: revista do Esporte número 321 – 1 de maio de 1965.

O ponteiro santista Pepe ao lado de Lima no gramado do Pacaembu. Crédito: revista A Gazeta Esportiva Ilustrada.

Mas Lima ficou na suplência de outro conterrâneo, o bom ponteiro esquerdo Gilson Porto. Pouco depois foi emprestado ao Club Atlético Boca Juniors da Argentina por seis meses.

Novamente no Parque São Jorge, Lima fez boas apresentações no Torneio Roberto Gomes Pedrosa e reencontrou seu bom futebol.

Mas aquele desesperado Corinthians não parava de buscar por um “santo milagreiro”. Foi assim com Ivair, o “O príncipe”, que também andou jogando pela ponta esquerda.

Depois da chegada de Aladim Luciano, ponteiro esquerdo contratado junto ao Bangu em setembro de 1970, Lima novamente precisou brigar por um lugar no time.

Em novembro do mesmo ano, Lima disputou sua última partida pelo Corinthians, antes de ser negociado em definitivo com o Cruzeiro Esporte Clube.

Crédito: site do Milton Neves.

Jogando pelo Corinthians, entre 1962 e 1965; e depois entre 1967 e 1970, Lima disputou um total de 170 partidas com 77 vitórias, 49 empates, 44 derrotas e 33 gols marcados.

Os números de Lima pelo Corinthians foram publicados no reconhecido Almanaque do Corinthians, do autor Celso Dario Unzelte.

Os títulos que faltaram no Corinthians sobraram no Cruzeiro. Conquistou o tricampeonato mineiro de 1972, 1973 e 1974, mesmo ano em que assinou com o Clube Náutico Capibaribe.

Passou também pelo Sport Club do Recife em 1976 e depois rumou para os gramados do Chile. Jogou primeiramente no Corporación Club de Deportes Santiago Morning até 1980 e depois pelo O’Higgins Fútbol Club até 1982, quando deixou os gramados.

Lima, em destaque, no time do Milionários. Crédito: limacorinthiano.xpg.uol.com.br.

O Cruzeiro no Mineirão. Em pé: Lauro, Darci, Hélio, Vanderlei, Piazza e Fontana; Agachados: Luís Carlos, Zé Carlos, Roberto Batata, Palhinha e Lima. Foto de Célio Apolinário. Crédito: revista Placar.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Célio Apolinário), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Esporte (por Jurandir Costa), revista Grandes Clubes Brasileiros, revista Manchete, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal Folha de São Paulo, acervo.folha.com.br, campeoesdofutebol.com.br, limacorinthiano.xpg.uol.com.br, site do Milton Neves (por Rogério Micheletti), Almanaque do Corinthians – Celso Dario Unzelte, albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Anúncios