Tags

, , ,

Nas décadas de 1930 e 1940, a região compreendida entre Aclimação, Baixada do Glicério, Cambuci e Ipiranga era servida por uma infinidade de agremiações amadoras de futebol. 

Camisas de algodão, bolas de couro e chuteiras eram artigos caros e comprados com muita dificuldade pelos times de várzea. Desse cenário romântico da bola apareceram vários jogadores de enorme categoria.

O Palestra Itália encontrou Waldemar Fiume; enquanto que o meio-campista e também lateral-esquerdo Dema foi aproveitado pelo Clube Atlético Ypiranga.

Mais conhecido como “Dema”, o paulistano Ademar Lucazecchi nasceu no bairro do Ipiranga, em 1 de agosto de 1928.

O esforçado Dema apareceu no infantil de uma equipe chamada Flor da Índia. Em meados de 1945 foi para o juvenil do Rubens Sales e no ano seguinte foi encaminhado aos quadros amadores do Clube Atlético Ypiranga.

Dema com a camisa alvinegra do Clube Atlético Ypiranga. Crédito: cacellain.com.br.

No início da temporada de 1951, Dema foi apresentado aos torcedores do Palmeiras. Crédito: revista do Palmeiras.

Prontamente utilizado como lateral-esquerdo no time de Aspirantes, Dema assinou seu primeiro compromisso em 1947, o popular “Contrato de Gaveta”, um documento sem qualquer validade na Federação Paulista de Futebol.

Futebol simples e fôlego admirável, Dema foi uma das gratas surpresas do time que timidamente ocupava espaço nas tiras esportivas da época.

Em 1948, o promissor Dema disputou seu primeiro campeonato paulista como titular, temporada em que o Ypiranga surpreendeu muita gente e terminou na terceira colocação.

E foi no próprio Ypiranga que Dema formou uma consistente linha média ao lado de Belmiro e Reynaldo, um trio diretamente responsável pela conquista inédita do Torneio Início do campeonato paulista de 1950.

No mesmo ano de 1950, com o prestígio em alta, Dema fez parte do selecionado paulista que participou da inauguração do Estádio do Maracanã, quando o quadro carioca foi derrotado pela contagem de 3×1.

Dema (em destaque) no vestiário do Maracanã antes do confronto decisivo da primeira edição Copa Rio. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 694 – 26 de julho de 1951.

Em confronto válido pelo Torneio Rio-São Paulo no Maracanã, Fluminense e Palmeiras empataram em 2×2. Partindo da esquerda; Dema, Orlando, Telê Santana, Fábio Crippa e Waldemar Fiume. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 726 – 6 de março de 1952.

Com o título paulista de 1950, os “cartolas” do Palmeiras partiram decididos em busca de reforços. Um dos nomes preferidos na lista do técnico Ventura Cambon era Dema, também pretendido pela Portuguesa de Desportos.

Assim, no início da temporada de 1951, Dema foi apresentado aos dirigentes e torcedores no Parque Antártica.

De acordo com o site “palmeiras.com.br”, sua primeira participação aconteceu em 1 de abril de 1951, na vitória por 4×1 sobre o Vasco da Gama pelo Torneio Rio-São Paulo.

Pelo alviverde, o jovem meio-campista participou de grandes conquistas: Torneio Rio-São Paulo de 1951, Taça Cidade de São Paulo 1951 e a primeira edição da Copa Rio 1951; além da Taça Peñarol em 1951 e o Troféu Cidade do México em 1952.

Contudo, o tão sonhado título paulista ficou apenas na esperança. Dessa forma, Dema amargou o vice-campeonato nas edições de 1951, 1953 e 1954, ano do Quarto Centenário da cidade de São Paulo.

Dema e Idário, cordialidade esportiva antes de mais um “Derby” no Pacaembu. Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 362.

Formação do Palmeiras no Pacaembu. Em pé: Dema, Manoelito, Cação, Laércio, Nilo e Waldemar Fiume. Agachados: Liminha, Humberto Tozzi, Ney Blanco, Jair Rosa Pinto e Rodrigues. Crédito: Anuário do Esporte Ilustrado.

Dema continuou nas fileiras do Palmeiras até o mês de março de 1958. Próximo de completar os 30 anos de idade, seu passe foi negociado com o Esporte Clube XV de Novembro de Piracicaba (SP).

Foram 286 partidas pelo Palmeiras com 144 vitórias, 59 empates, 83 derrotas e nenhum gol marcado. Os números foram publicados no reconhecido Almanaque do Palmeiras, dos autores Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti.

Depois de encerrar a carreira como jogador profissional em 1965, Dema iniciou uma brilhante trajetória no papel de treinador.

Seu grande momento aconteceu no campeonato paulista de 1976, no comando do XV de Piracicaba. Apesar de contar com um elenco barato e considerado limitado, o quadro piracicabano realizou uma temporada espetacular!

Com 4 zagueiros e um médio-volante de contenção, o técnico Dema conquistou pontos importantes, tanto nas partidas fora de casa como nos jogos realizados no Estádio Barão de Serra Negra.

Dema em sua época no XV de Piracicaba. Foto de Ludovico da Silva. Crédito: reprodução revista A Gazeta Esportiva Ilustrada número 224 – 1963.

A melhor campanha do XV de Piracicaba na história do campeonato paulista. Foto de Manoel Motta. Crédito: revista Placar – 20 de agosto de 1976.

Foi a melhor campanha da história do clube na competição. Dema levou o “Nhô Quin” ao vice campeonato paulista, quando perdeu o título para o Palmeiras no Parque Antártica.

Abaixo, os registros da partida que decidiu o “Paulistão” de 1976 em favor do Palmeiras no gramado do Parque Antártica:

18 de agosto de 1976 Campeonato paulista – Palmeiras 1×0 XV de Piracicaba – Estádio do Parque Antártica – Árbitro: Romualdo Arppi Filho – Gol: Jorge Mendonça aos 39′ do primeiro tempo.

Palmeiras: Leão; Valdir, Samuel, Arouca, Ricardo; Pires e Ademir da Guia; Edu, Jorge Mendonça, Toninho e Nei. Técnico: Dudu. XV de Piracicaba: Donah; Volmil, Fernando, Elói e Almeida; Muri, Vágner e Pitanga; Nardela, Benê (Paulinho), João Paulo. Técnico: Dema.

Em seguida, Dema treinou o XV de Jaú em 1977, antes de voltar mais uma vez ao XV de Piracicaba também em 1977. Ademar Lucazecchi faleceu na cidade de Piracicaba (SP), em 17 de dezembro de 2008.

Dema como treinador do XV de Jaú. Foto de José Pinto. Crédito: revista Placar – 11 de fevereiro de 1977.

O grande trabalho de Dema na direção do XV de Piracicaba. Foto de Ronaldo Kotscho. Crédito: revista Placar – 25 de novembro de 1977.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Carlos Maranhão, José Pinto, Lenivaldo Aragão, Manoel Motta, Maurício Cardoso e Ronaldo Kotscho), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada (por Ludovico da Silva), revista Campeoníssimo, revista do Esporte, revista do Palmeiras, revista Esporte Ilustrado (por Leunam Leite, Levy Kleiman e Luís Mendes), revista Manchete, revista Manchete Esportiva, revista O Cruzeiro, revista Vida Esportiva Paulista, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal dos Sports, Jornal Mundo Esportivo (por Otávio Gonçalves), Jornal O Globo, Jornal Última Hora, cacellain.com.br, campeoesdofutebol.com.br, esporteclubetaubate.com.br, palmeiras.com.br, site do Milton Neves (por Milton Neves e Rogério Micheletti), xvpiracicaba.com.br, Almanaque do Palmeiras – Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti, albumefigurinhas.no.comunidades.net.