Tags

, , ,

Zagueiro de futebol sério e boa colocação, Galhardo foi um dos nomes importantes do Fluminense no período vencedor entre 1969 e 1971.

Inicialmente ganhou fama na Ferroviária de Araraquara, reconhecidamente um dos maiores celeiros de craques do futebol paulista!

Filho de João Galhardo Filho e Maria Michiline Galhardo, João José Galhardo nasceu na cidade de Araraquara (SP), em 29 de novembro de 1942.

Conforme publicado pela revista do Esporte número 34, de 23 de outubro de 1965, Galhardo começou jogando como atacante e meia-esquerda nas categorias amadoras do Paulista Futebol Clube de Araraquara.

Algum tempo depois foi encaminhado para os quadros da Associação Ferroviária de Esportes, equipe onde assinou seu primeiro compromisso profissional em 1961.

Grande revelação da Ferroviária. Crédito: gazeta esportiva.net.

Formação da Ferroviária de Araraquara. Em pé: Dorival, Geraldo Scalera, Galhardo, Rodrigues, Zé Maria e Rubens Salles. Agachados: Alencar, Paulinho, Tales, Capitão e Pio. Crédito: flashbola.diarionaweb.

Em razão do porte físico avantajado, Galhardo foi aos poucos percebendo que seu lugar não era na meia-cancha. Foi utilizado na lateral-esquerda, até ser definitivamente aproveitado no miolo de zaga.

No time da “Fonte Luminosa”, Galhardo formou boas linhas defensivas ao lado de companheiros como Fogueira, Geraldo Scalera e outros tantos valores.

Seu bom futebol foi destaque em várias edições do campeonato paulista, o que despertou o interesse das grandes equipes da capital.

Assim, em 1965, Galhardo foi contratado pelo Sport Club Corinthians Paulista, uma das maiores negociações da época!

No Corinthians, o promissor zagueiro de Araraquara viveu altos e baixos. A pressão pelo tão sonhado título paulista era enorme e Galhardo até pensou em abandonar o futebol.

Crédito: revista do Esporte número 34 – 23 de outubro de 1965.

Crédito: revista do Esporte número 34 – 23 de outubro de 1965.

Em 16 de novembro de 1965 participou do amistoso entre Arsenal e Seleção Brasileira, que naquela oportunidade foi representada pelos jogadores do Corinthians. O time inglês venceu por 2×0.

Galhardo também esteve em campo no dia 2 de março de 1966, quando Garrincha fez sua primeira partida pelo Corinthians. O Vasco da Gama venceu por 3×0 no Pacaembu, um resultado que azedou a festa da Fiel Torcida!

Seu único título pelo Corinthians foi o Torneio Rio-São Paulo de 1966, uma conquista dividida entre Botafogo, Corinthians, Santos e Vasco da Gama.

O zagueiro permaneceu no Parque São Jorge até 1968, quando seu passe foi negociado com o Fluminense Football Club (RJ).

Pelo Corinthians, Galhardo disputou 87 compromissos. Foram 50 vitórias, 16 empates, 21 derrotas e apenas 1 gol marcado. Os números foram publicados pelo Almanaque do Corinthians, do autor Celso Dario Unzelte.

Crédito: revista A Gazeta Esportiva Ilustrada 285 – Setembro de 1965.

No Fluminense, Galhardo faturou a Taça Guanabara e o campeonato carioca de 1969. Em 1970 conquistou a Taça de Prata, seu título mais significativo nas Laranjeiras. Abaixo, os registros do jogo decisivo da Taça de Prata 1970:

20 de dezembro de 1970 – Última rodada do quadrangular decisivo da Taça de Prata 1970 – Fluminense 1×1 Atlético Mineiro – Estádio do Maracanã – Árbitro: José Faville Neto – Gols: Mickey aos 30′ do primeiro tempo; e Vaguinho aos 2′ do segundo tempo. 

Fluminense: Felix; Oliveira, Galhardo, Assis e Marco Antônio (Toninho); Denílson e Didi; Cafuringa, Cláudio, Mickey e Lula. Técnico: Paulo Amaral. Atlético Mineiro: Renato; Nélio (Zé Maria), Humberto, Vantuir e Oldair; Vanderlei e Humberto Ramos; Ronaldo, Lola, Vaguinho e Tião. Técnico: Telê Santana.

Galhardo ainda fez parte do elenco que conquistou a Taça Guanabara e o título carioca de 1971, no sempre discutido jogo decisivo contra o Botafogo.

A partida é sempre lembrada pelo gol irregular do ponteiro-esquerdo Lula, que aproveitou o rebote após o choque entre o goleiro Ubirajara e o lateral-esquerdo Marco Antônio.

Uma passagem marcante no Fluminense. Crédito: revista do Fluminense número 148.

Galhardo e Samarone. Bons valores que o Fluminense foi buscar no cenário paulista. Crédito: revista do Esporte número 541 – 19 de julho de 1969.

Revoltados, os jogadores do Botafogo cercaram o árbitro José Marçal Filho, que apesar da forte pressão não voltou atrás e validou o tento.

Até hoje, o gol de Lula rende controvérsias. Para os tricolores, nada de anormal aconteceu na disputa do lance. No entanto, para os botafoguenses, o gol de Lula foi um dos maiores erros de arbitragem da história do campeonato carioca.

Em 1972, uma grave contusão no joelho antecipou o final da carreira de Galhardo. Cansado das inúmeras tentativas para voltar, o zagueiro decidiu deixar os gramados.

Ao todo foram 164 partidas disputadas com a camisa do tricolor das Laranjeiras.

Conforme divulgado pelo site do Milton Neves, depois do futebol Galhardo foi monitor de escolinhas de futebol e trabalhou também como vendedor. Atualmente o ex-zagueiro reside em Araraquara.

Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Fluminense e Palmeiras no Maracanã, duelo válido pela Taça de Prata de 1970. No lance, Galhardo e Ademir da Guia disputam jogada pelo alto. Crédito: revista Placar.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Teixeira Heizer), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Esporte (por Luís Oliveira), revista do Fluminense, revista Grandes Clubes Brasileiros, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal dos Sports, campeoesdofutebol.com.br, corinthians.com.br, ferroviariaemcampo.blogspot.com.br, flashbola.diarionaweb, gazeta esportiva.net, scratchcorinthiano.blogspot.com.br, site do Milton Neves (por Rogério Micheletti), Almanaque do Corinthians – Celso Dario Unzelte, albumefigurinhas.no.comunidades.net.