Tags

, ,

Walter Ferraz de Negreiros, ou Valter Ferraz de Negreiros, conforme encontrado em algumas publicações, nasceu na cidade de Santos (SP), em 6 de agosto de 1946.

Conhecido pelos companheiros como “Nego”, Negreiros começou no Barreiros, um dos principais times da várzea santista. Em 1965 foi encaminhado aos quadros amadores do Santos Futebol Clube.

Aproveitado no elenco principal no mês de maio de 1967, Negreiros foi utilizado com maior regularidade em 1968, participando assim de grandes conquistas com a camisa do Santos:

– Campeonato paulista 1967, 1968, 1969, Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1968, Recopa Sul-Americana e Recopa dos Campeões Mundiais de 1968, além de torneios nacionais e internacionais.

Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

O Santos no gramado do Morumbi. Em pé: Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado, Djalma Dias, Cláudio, Clodoaldo e Rildo. Agachados: Toninho Guerreiro, Negreiros, Edu, Pelé e Abel. Crédito: revista do Esporte.

Em 1970 foi emprestado ao Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense para disputar o campeonato gaúcho. Com problemas de adaptação em razão do clima, Negreiros voltou ao Santos.

Pouco depois sofreu uma contusão no joelho direito. Submetido aos procedimentos cirúrgicos no início de 1971, Negreiros permaneceu na Vila Belmiro até julho, quando foi negociado com o Coritiba Foot Ball Club.

Jogando pelo Santos, Negreiros participou de 124 compromissos e marcou 12 gois. Os números foram publicados pelo site acervosantosfc.com.

Conforme reportagem publicada pela revista Placar em 31 de dezembro de 1971, Negreiros chegou ao Alto da Glória no mês de agosto, um tanto desiludido e ainda em processo de recuperação da cirurgia.

Crédito: revista Placar – 31 de dezembro de 1971.

Crédito: revista Placar – 31 de dezembro de 1971.

Nas primeiras entrevistas na capital paranaense, Negreiros estava visivelmente fora de forma e não escondeu o seu desejo de voltar ao Santos.

O técnico Tim, quando perguntado sobre os novos reforços para o campeonato brasileiro de 1971, não deixou por menos:

– Não fui consultado pela diretoria e também não pedi para contratar ninguém do Santos.

Os torcedores do Coritiba não mostraram muito entusiasmo com sua chegada. Afinal, Negreiros estava encostado no Santos e seu aproveitamento dependeria do sucesso no tratamento do joelho.

Aos poucos, Negreiros se recuperou e entrava em algumas partidas no lugar de Renatinho. Até que chegou o dia em que o técnico Tim precisou contar com sua costumeira mobilidade na meia cancha.

Crédito: revista Placar – 31 de dezembro de 1971.

Negreiros não poderia imaginar que o sucesso o esperava no Estádio Belfort Duarte, atual Couto Pereira. Crédito: revista Grandes Clubes Brasileiros.

Na noite de quarta feira de 8 de setembro de 1971, o Corinthians recebeu no Parque Antártica o Coritiba, confronto válido pelo campeonato brasileiro de 1971.

Com derrotas em casa para o Cruzeiro, Internacional e Vasco da Gama, o Coritiba não fazia uma boa campanha e precisava se recuperar para prosseguir na segunda fase da competição.

Diante dos números, o técnico Tim armou uma boa retranca para enfrentar o quadro paulista. No banco de reservas, o meio campista Negreiros assistia preocupado o domínio do Corinthians.

Com gols de Mirandinha e Rivellino, o alvinegro caminhava tranqüilo para um triunfo relativamente fácil. Antes mesmo do término da primeira etapa, Tim resolveu colocar Negreiros em campo.

Em pouco tempo, Negreiros ofereceu uma maior movimentação ao meio campo do Coritiba. Aos 43 minutos Leocádio diminuiu o marcador, após rebote do goleiro Ado.

Negreiros, em destaque, marcou o gol de empate para o Coritiba contra o Palmeiras no Pacaembu. Crédito: revista Placar.

No domingo de 3 de outubro de 1971, no Estádio Belfort Duarte, atual Couto Pereira, o Coritiba venceu o Atlético Mineiro por 1×0 com um gol de Paquito. Na foto, Negreiros finaliza bonito. Crédito: gazetadopovo.com.br.

No segundo tempo, Tião Abatiá empatou aos 17 e aos 36 minutos Negreiros fez mais uma grande jogada e encontrou Paquito, que de fora da área deu números finais ao placar em 3×2.

Depois dessa virada espetacular, o Coritiba ainda oscilou em casa ao ser derrotado pelo Palmeiras por 1×0.

Mas o futebol de Negreiros foi determinante para o técnico Tim. Com ele no time, o “Coxa” rendeu mais e conseguiu sua classificação para a segunda fase do campeonato nacional de 1971.

Inclusive, Negreiros foi o autor do gol no empate contra o Palmeiras por 1×1 em São Paulo, na primeira partida da segunda fase no Pacaembu.

Pelo Coritiba, Negreiros conquistou os campeonatos estaduais de 1971, 1972, 1973 e 1974, além da “Fita Azul” em 1972 e o Torneio do Povo em 1973.

Formação do Coritiba no Maracanã. Em pé: Jairo, Oberdan, Hidalgo, Orlando, Cláudio e Nilo. Agachados: Integrante da Comissão Técnica, Sérgio Roberto, Zé Roberto, Leocádio, Negreiros e Aladim. Crédito: revista Placar.

Negreiros permaneceu nas fileiras do Coritiba até o findar de 1974. Em seguida jogou pelo Operário da cidade de Várzea Grande, no estado de Mato Grosso.

Fora do futebol profissional, Negreiros fez parte do time de estrelas do Milionários, além de participar de partidas de “Showball”, uma espécie de “Futebol Society”, que fez muito sucesso nos anos setenta.

Conforme publicado no site do Milton Neves, Negreiros Trabalhou como Treinador, Coordenador de Futebol e Comentarista Esportivo.

Atualmente, Negreiros reside na cidade de Santos e foi proprietário de uma escolinha de futebol em Cubatão (SP).

Crédito: tribunapr.com.br.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Carlos Maranhão), revista do Esporte, revista Grandes Clubes Brasileiros, gazeta esportiva.net, tribunapr.com.br (por Edilson Pereira), gazetadopovo.com.br, campeoesdofutebol.com.br, globoesporte.globo.com, site do Milton Neves, acervosantosfc.com (por Gabriel Santana), santosfc.com.br, jajogueinogremio.blogspot.com.br, albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Anúncios