Tags

, , ,

Curioso mesmo foi o início da trajetória de Tião no mundo da bola!

Filho de Alcides Rocha e Maria de Lourdes Rocha, Sebastião Rocha, ou ainda Sebastião da Rocha, conforme encontrado em algumas publicações, nasceu na cidade do Rio de Janeiro (RJ), em 14 de setembro de 1941.

Conforme publicado pela revista do Esporte na edição de 18 de dezembro de 1965, o esperançoso jovem trilhou por um caminho bem diferente da maioria dos que sonham com o estrelato nos gramados.

Criado no bairro de Botafogo, Tiãozinho era modesto em suas pretensões para o futebol. Queria apenas jogar suas peladas sem compromisso e trabalhar no restaurante da família; não fosse a insistência do pai e do tio!

Aos 11 anos de idade, o franzino Tiãozinho foi encaminhado pelo pai e pelo tio aos quadros amadores do Clube de Regatas do Flamengo (RJ).

Crédito: revista do Esporte – Material publicado no site kikedabola.blogspot.com.

Uma das formações do Vasco da Gama em 1966. Em pé: Amauri, Joel, Brito, Maranhão, Fontana e Oldair. Agachados: Luizinho, Lorico, Célio, Danilo e Tião. Crédito: revista Futebol e Outros Esportes.

Campeão no infantil e no infanto-juvenil do Rubro-Negro, Tião foi promovido ao juvenil e fez parte do elenco que conquistou o título da categoria em 1956. Contudo, apesar do sucesso, Tião era pouco aproveitado no juvenil. Decepcionado, o rapazola resolveu deixar o clube!

Mesmo diante do dissabor do pai pela intempestiva atitude de deixar o Flamengo, Tião foi além e também não queria mais saber de clube nenhum.

Continuou jogando suas peladas e trabalhando no restaurante, até que o serviço militar obrigatório o levasse ao Grupo de Paraquedistas.

Ao dar baixa no serviço militar, Tião foi surpreendido pelo interesse de um dirigente do Cruzeiro que estava no Rio. Com boas recomendações sobre o futebol do rapaz, Felício Brandi prontamente ofereceu uma passagem aérea para Tião treinar em Belo Horizonte.

Mesmo assim, Tião ficou por algum tempo com o bilhete da passagem na mão sem saber o que fazer. Convencido pelos argumentos do pai, Tião embarcou para Minas Gerais um tanto contrariado.

Crédito: revista Futebol e Outros Esportes.

Tião em treinamento do Vasco da Gama. Crédito: revista do Esporte número 354.

Aparecendo como ponteiro-esquerdo, Tião foi bem avaliado no Cruzeiro e rapidamente assinou seu primeiro contrato profissional em 1961, com 12 mil cruzeiros mensais.

Todavia, de forma inesperada, Tião sentiu uma estranha necessidade de voltar ao Rio de Janeiro, uma decisão que desapontou bastante os dirigentes mineiros!

Em casa tomou uma bronca daquelas do pai e sem alternativas retornou ao Cruzeiro, antes de um eventual cancelamento de seu contrato na federação.

Tião participou da conquista do título mineiro de 1961 pelo Cruzeiro. No ano seguinte recebeu uma boa proposta do Esporte Clube Siderúrgica (MG), que na oportunidade desembolsou 400 mil cruzeiros pelo seu passe.

Campeão mineiro de 1964, o título inédito pelo Siderúrgica representou fama e uma valorização e tanto. Apelidado pelos companheiros como Tião “Cavadinha”, o promissor ponteiro-esquerdo do Siderúrgica foi negociado com o Club de Regatas Vasco da Gama.

Formação do Atlético Mineiro no Mineirão. Em pé: Canindé, Dari, Hélio, Fred, Aírton e Décio. Agachados: Ronaldo, Buglê, Roberto, Paulista e Tião. Crédito: revista do Esporte número 378 – 4 de junho de 1966.

Uma das formações de ataque do Atlético Mineiro em 1967. Partindo da esquerda; Buião, Laci, Santana, Edgard Maia e Tião. Crédito: revista do Esporte número 449 – 14 de outubro de 1967.

Casado com Heloísa Helena, o nascimento da filha Kátia Regina foi o ponto de equilíbrio tão necessário para vencer no cenário carioca.

Campeão do Torneio Rio-São Paulo pelo Vasco da Gama em 1966, os registros encontrados sobre sua transferência para o Clube Atlético Mineiro são no mínimo conflitantes.

(*) Embora Tião tenha participado da inauguração do Estádio do Mineirão pelo selecionado mineiro em 1965, algumas fontes apontam sua chegada ao “Galo” somente em abril de 1966; pouco depois do encerramento do Torneio Rio-São Paulo, competição em que defendeu o Vasco da Gama.

No Atlético Mineiro, Tião viveu um de seus momentos mais duradouros e produtivos vestindo uma única camisa, apesar do domínio regional do Cruzeiro entre 1965 e 1969.

Nesse período, Tião também usou a camisa amarelinha. Foi em 19 de dezembro de 1968, quando o Atlético Mineiro representou o Brasil na vitória de 3×2 sobre a Iugoslávia, partida disputada no Mineirão.

O Atlético Mineiro que em 1968 representou o Brasil e venceu a Iugoslávia por 3×2. Em pé: Vander, Grapete, Vanderlei, Mussula, Normandes e Décio Teixeira. Agachados: Ronaldo, Amaury, Vaguinho, Lola e Tião. Crédito: revista Mineirão – Enciclopédia do Futebol Mineiro.

O Atlético Mineiro em 1970. Em pé: Humberto, Vanderlei Paiva, Grapete, Vander, Careca e Cincunegui. Agachados: Vaguinho, Lola, Oldair, Laci e Tião. Crédito: revista Placar – 8 de maio de 1970.

Também esteve do outro lado, ao enfrentar o escrete canarinho em 3 de setembro de 1969, ocasião em que o Atlético Mineiro jogou com a camisa do selecionado mineiro e venceu por 2×1.

Tião participou ainda da derrota do selecionado mineiro contra a Seleção Brasileira por 3×1, partida disputada em 19 de abril de 1970, no Mineirão.

Tião fez parte da grande equipe que conquistou a Taça Belo Horizonte nas edições de 1970, 1971 e 1972; o campeonato mineiro de 1970 e o campeonato nacional de 1971, seu título mais importante!

O ponteiro-esquerdo permaneceu no Atlético Mineiro até o segundo semestre de 1972, quando foi vendido ao América Futebol Clube (MG), seu último clube.

Sebastião Rocha, o Tião, foi assassinado no Rio de Janeiro (RJ) em 12 de abril de 1984. (*) Algumas fontes divulgam o seu falecimento em 30 de agosto de 1982.

Crédito: revista Grandes Clubes Brasileiros.

Tião e Lauro em mais um duelo entre Atlético Mineiro e Cruzeiro no Mineirão. Foto de Lemyr Martins. Crédito: revista Placar – 18 de dezembro de 1970.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por José Maria de Aquino e Lemyr Martins), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Esporte, revista Futebol e Outros Esportes, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista Mineirão – Enciclopédia do Futebol Mineiro, Jornal dos Sports, Jornal Estado de Minas, Jornal O Globo, agenciaoglobo.com.br, atletico.com.br, campeoesdofutebol.com.br, estadiomineirao.com.br, gazeta esportiva.net, globoesporte.globo.com, kikedabola.blogspot.com, site do Milton Neves, Livro: Seleção Brasileira 1914 – 2006 – Antônio Carlos Napoleão e Roberto Assaf – Mauad Editora, albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Anúncios