Tags

, , ,

Depois da épica derrota do Flamengo para o Bangu no duelo decisivo do certame carioca de 1966, o inconformado Almir Albuquerque disparou sérias acusações ao goleiro Valdomiro e ao árbitro Aírton Vieira de Moraes.

Para o sempre polêmico Almir, ambos estavam na “gaveta” e facilitaram para o time de Moça Bonita ficar com o caneco. O assunto ganhou muito destaque, principalmente após a publicação do livro de memórias de Almir.

A obra de Almir, intitulada “Eu e o Futebol”, com prefácios assinados por Fausto Neto e João Saldanha, só foi publicada em 1973, pela Editora Abril, como parte da biblioteca esportiva da revista Placar.

O tema também foi documentado nos jornais e em várias edições da revista Placar. O certo é que tais acusações nunca foram devidamente comprovadas!

Contudo, no conceito do tranquilo Valdomiro, acostumado aos destemperos de Almir, tudo não passou de uma mera crise de inconformismo, ainda que o famoso companheiro tenha passado dos limites.

Depois da derrota para o Bangu no duelo decisivo de 1966, Almir disparou sérias acusações ao companheiro Valdomiro e ao árbitro Aírton Vieira de Moraes. Crédito: revista Placar – 5 de janeiro de 1973.

Filho de Teodoro Grodz e Maria Grodz, Valdomiro Grodz nasceu na capital paranaense em 2 de agosto de 1939.

Conforme publicado pela revista do Esporte em 26 de março de 1966, o promissor Valdomiro defendeu com destaque o União Juventus de Curitiba, antes de ser encaminhado em 1959 aos quadros do Coritiba Foot Ball Club (PR).

No elenco do Coritiba, o goleiro Valdomiro participou do time que chegou ao título paranaense de 1960.

Em razão de convincentes atuações pelo alviverde do Alto da Glória, os cartolas do Clube de Regatas do Flamengo (RJ) manifestaram grande interesse por seu futebol.

De acordo com o artigo da revista do Esporte de12 de fevereiro de 1966, tão logo foi apresentado na Gávea em 1963, Valdomiro precisou voltar quase que imediatamente para Curitiba.

Forte concorrência na meta do Flamengo. Partindo da esquerda; Fernando, Joélcio, Mauro, Marcial e Valdomiro. Crédito: revista do Esporte número 252 – Setembro de 1963.

Juventude e segurança na Gávea com Marcial e Valdomiro. Crédito: revista do Esporte número 267 – 18 de abril de 1964.

Aflitos pela paralisação dos estudos do filho, os pais do jovem “guarda-metas” protestaram forte junto aos dirigentes do Flamengo.

Dessa forma, Valdomiro retornou para Curitiba, até conseguir sua transferência definitiva para a Escola Nacional de Educação Física do Rio de Janeiro.

Com sua situação resolvida, Valdomiro assinou com o Flamengo e deu um importante passo na devida consolidação de sua carreira.

Contando com 1;81 de altura, olhos azuis e cabelos louros, Valdomiro era um verdadeiro “estranho no ninho” para enfrentar a forte concorrência de Fernando, Joélcio, Marcial e Mauro.

Depois da transferência de Marcial para o Corinthians na temporada de 1965, Valdomiro assumiu definitivamente a condição de titular.

O Flamengo campeão carioca de 1965. Partindo da esquerda; Valdomiro, Ditão, Jaime, Silva, Nelsinho, Neves, Carlinhos, Almir, Paulo Henrique, Rodrigues e Murilo. Crédito: revista Placar – 50 times do Flamengo.

O Flamengo no Maracanã. Em pé: Murilo, Valdomiro, Jaime, Ditão, Carlinhos e Paulo Henrique. Agachados: Clair, Fefeu, João Daniel, Silva e Rodrigues. Crédito: revista do Esporte número 358 – 15 de janeiro de 1966.

Campeão carioca de 1965, Valdomiro também esteve em campo na amarga derrota de 3×0 para o Bangu, confronto que decidiu o campeonato carioca de 1966.

O jogo é sempre lembrado pela verdadeira batalha que tomou conta do gramado do Maracanã, com vários jogadores expulsos de campo.

Sobrou até para o famoso árbitro Aírton Vieira de Moraes, que ao passar ao lado do atacante Almir Albuquerque foi acusado e ofendido: “Pensa que eu não sei que você está na gaveta seu safado”.

Valdomiro permaneceu no Flamengo até 1968, quando voltou ao cenário paranaense para defender o Esporte Clube Água Verde (PR) e depois o Club Athletico Paranaense (PR), sua última equipe como jogador profissional.

Conforme publicado pelo site do Milton Neves, Valdomiro Grodz faleceu na cidade de Curitiba em 1994.

Aflitos pela paralisação dos estudos do filho, os pais de Valdomiro quase “melaram” sua transferência para o Flamengo. Crédito: revista do Esporte número 362 – 12 de fevereiro de 1966.

Devoto de Santa Teresinha, o paranaense Valdomiro ganhou destaque no futebol carioca pelo Flamengo. Crédito: revista do Esporte número 368 – 26 de março de 1966.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Albino Castro Filho, Fausto Neto, Marcelo Rezende e Maurício Azêdo), revista do Esporte, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista Manchete, Jornal dos Sports, Jornal O Globo, campeoesdofutebol.com.br, flamengo.com.br, globoesporte.globo.com, site do Milton Neves (por Milton Neves).

Anúncios