Tags

, , ,

O descendente de italianos Emmanuele Del Vecchio nasceu na capital paulista em 24 de setembro de 1934. Inicialmente estabelecidos no tradicional bairro da Mooca, a família Del Vecchio mudou posteriormente para a cidade litorânea de São Vicente (SP).

Conhecido pelos companheiros apenas como “Del Vecchio”, o rapazola bom de bola e temperamento explosivo ganhou destaque nas peladas de futebol de praia de Santos e São Vicente.

Em 1951 foi bem recomendado aos quadros amadores do Santos Futebol Clube. Mais tarde assinou o popular “Contrato de Gaveta”, um documento sem qualquer valor legal e que servia apenas como uma espécie de garantia ao clube.

Batalhou em várias categorias e alcançou fama jogando como ponteiro-direito no time de Aspirantes. No segundo semestre de 1953, Del Vecchio recebeu suas primeiras oportunidades no time principal.

Foi o olhar detalhista do técnico Lula que encontrou em Del Vecchio qualidades suficientes para jogar no comando de ataque, uma aposta que rendeu ótimos resultados.

Na festa do Santos campeão paulista de 1955: Del Vecchio, Feijó e Tite. Crédito: revista Manchete Esportiva numero 60 – 1956.

Bicampeão paulista pelo Santos em 1956, Del Vecchio também brilhou pelo selecionado paulista. Crédito: reprodução revista Manchete Esportiva.

Seu desempenho foi determinante na campanha do título paulista do Santos em 1955, quando inclusive foi o artilheiro da competição com 22 gols marcados.

Bicampeão paulista em 1956, o bom futebol de Del Vecchio também brilhou no selecionado paulista e canarinho. O jogador permaneceu no Santos até 1957, quando seus direitos foram negociados com o Verona da Itália.

O estopim que provocou seu desligamento definitivo do Santos ocorreu quando o centroavante tentou agredir um radialista nas cabines de rádio do Estádio da Vila Belmiro.

Tamanho mal-estar não foi tolerado pelos dirigentes, que além de estabelecer uma multa contratual também decidiram por aceitar uma boa proposta do futebol italiano!

Com a camisa do Santos foram 180 compromissos e 105 gols marcados, o que coloca seu nome na galeria dos maiores artilheiros da história do clube.

Del Vecchio com a camisa do selecionado paulista. Crédito: reprodução revista A Gazeta Esportiva Ilustrada – Fevereiro de 1957.

O escrete canarinho em 1957. Em pé: Paulinho, Castilho, Bellini, Jadir, Oreco e Zito. Agachados: Membro da comissão técnica, Maurinho, Mazzola, Del Vecchio, Luizinho, Tite e o massagista Mário Américo. Crédito: revista Manchete Esportiva.

No badalado cenário italiano, Del Vecchio fez grande sucesso e conquistou títulos importantes pela Associazione Calcio Milan; como o campeonato italiano de 1962 e a Copa dos Campeões da Europa em 1963.

Além do Milan e do Verona, Del Vecchio também defendeu o Napoli e o Padova. Passou depois pelo Club Atlético Boca Juniors entre 1963 e 1964 – ano em que também conquistou o campeonato argentino.

Ainda na temporada de 1964, Del Vecchio acertou seu pronto retorno ao Brasil para defender o São Paulo Futebol Clube.

Pelo tricolor do Morumbi em 1964 e 1965, Del Vecchio disputou 69 partidas com 35 vitórias, 17 empates, 17 derrotas e 34 gols marcados. Os registros fazem parte do Almanaque do São Paulo, do autor Alexandre da Costa.

O atacante ainda voltou ao Santos e atuou nas temporadas de 1965 e 1966. Participou do elenco santista que faturou o Torneio Rio-São Paulo de 1966, uma conquista dividida com o Botafogo (RJ), Vasco da Gama (RJ) e Corinthians (SP).

Partindo da esquerda; Zito, Mazzola e Del Vecchio. Crédito: revista Manchete Esportiva número 84 – 29 de junho de 1957.

No álbum de figurinhas do campeonato italiano da “Série A” de 1962/1963, três craques brasileiros no Milan: Mazzola (Altafini), Del Vecchio e Dino Sani. Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Em 1967, o centroavante recebeu uma proposta tentadora do Bangu Atlético Clube (RJ), que na oportunidade reformulava o elenco para tentar chegar ao bicampeonato carioca.

Conforme divulgado pelo site “bangu.net”, Del Vecchio foi vice-campeão carioca de 1967 e disputou apenas 10 compromissos pelo time de Moça Bonita. Foram 6 vitórias, 1 empate, 3 derrotas e 3 gols marcados.

Abaixo, a importante participação de Del Vecchio pelo Bangu na partida decisiva do campeonato carioca de 1967:

17 de dezembro de 1967 – Campeonato carioca segundo turno – Botafogo 2×1 Bangu – Estádio do Maracanã – Árbitro: Antônio Viug – Gols: Roberto aos 12’ e Gerson aos 67’ para o Botafogo; Mário aos 52’ para o Bangu.

Botafogo: Manga, Paulistinha, Zé Carlos, Leônidas e Valtencir; Carlos Roberto e Gerson; Rogério, Roberto, Jairzinho e Paulo Cesar. Bangu: Ubirajara Motta, Cabrita, Mário Tito, Luís Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Mário, Del Vecchio e Aladim.

Del Vecchio também passou pelo tricolor do Morumbi. Crédito: reprodução revista A Gazeta Esportiva Ilustrada número 274 – 1965.

Del Vecchio foi prudente no uso do dinheiro que ganhou no futebol. Optou por investir em imóveis na baixada santista, bem como no segmento de autopeças e mecânica de automóveis. Crédito: revista do Esporte número 373 – 1966.

Emmanuele Del Vecchio ainda passou com relativo destaque pelo Club Athletico Paranaense (PR), equipe onde também fechou sua estupenda caminhada pelos gramados.

De acordo com artigo publicado pela revista do Esporte, Del Vecchio foi prudente no uso do dinheiro que ganhou jogando futebol.

Optou principalmente por investir em imóveis na baixada santista, bem como no segmento de autopeças e mecânica de automóveis na cidade de São Vicente (SP).

Como treinador, Del Vecchio dirigiu primeiramente o Santos em 1984. Depois trabalhou no Botafogo (PB), Barretos (SP), Internacional de Bebedouro (SP), Internacional de Limeira (SP) e Jabaquara (SP).

Conforme divulgado pelo site “acervosantosfc.com”, Del Vecchio faleceu em 7 de outubro de 1995. O ex-jogador estava internado em decorrência de ferimentos causados por arma de fogo após desentendimentos com o ex-namorado de sua filha.

Amor pela bola não deixa Del Vecchio parar! Crédito: revista do Esporte número 460 – 30 de dezembro de 1967.

Emmanuele Del Vecchio como treinador do Jabaquara. Crédito: revista Placar – 23 de junho de 1989.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Carlos Maranhão), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Esporte, revista El Gráfico, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista Manchete Esportiva, Jornal A Gazeta Esportiva, acervosantosfc.com (por Gabriel Santana), bangu.net, campeoesdofutebol.com.br, magliarossonera.it, santosfc.com.br (por André Mendes e Guilherme Guarche), site do Milton Neves, Almanaque do São Paulo – Alexandre da Costa, albumefigurinhas.no.comunidades.net.