Tags

, , ,

Fundado em abril de 1939, o simpático e também extinto Comercial Futebol Clube da capital paulista tinha como principal objetivo ser o segundo time de todo mundo!

Conhecido pelos torcedores como “O mais simpático”, o Comercial ficava sediado na movimentada Praça Clóvis Beviláqua, região central da cidade de São Paulo.

O Comercial apareceu muito bem em algumas edições do campeonato paulista, principalmente na década de 1950, quando inclusive contou com jogadores de grande categoria, como Dino Sani e Gino Orlando.

Entre tantos valores, o Comercial revelou Milton Cavani, um goleiro arrojado e muito seguro que também defendeu o Palmeiras entre 1954 e 1955.

Milton Cavani nasceu na capital paulista em 23 de abril de 1929. Sua trajetória esportiva foi iniciada no cenário varzeano, até ser bem recomendado em 1946 aos quadros amadores do Comercial Futebol Clube (SP).

Pelo certame paulista, o Corinthians tropeçou diante do valente Comercial no Pacaembu e o jogo terminou empatado em 1×1. No lance, outra importante intervenção do goleiro Cavani. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 601 – 13 de outubro de 1949.

Apesar de todo o esforço do goleiro Cavani, Aquiles marca o segundo gol do Palmeiras na vitória sobre o Comercial por 3×0 pelo campeonato paulista. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 687 – 7 de junho de 1951.

Goleiro de boa colocação e notável elasticidade, o jovem Cavani conquistou especial destaque quando atuava pelo time de Aspirantes do Comercial.

No começo da temporada de 1949, o sempre falador Cavani foi promovido ao time principal, mesmo ano em que também assinou seu primeiro compromisso como profissional.

Abaixo, uma das partidas de Cavani defendendo a meta do Comercial da capital no campeonato paulista de 1952:

2 de novembro de 1952 – Campeonato paulista primeiro turno – Guarani 1×1 Comercial (SP) – Estádio do Pastinho (Campinas) – Árbitro: Jorge Miguel – Gols: Manduco para o Guarani; Nardo para o Comercial.

Guarani: Dirceu; Nenê e Gambá; Godê, Fernando e Clóvis; Dido, Augusto, Romeu, Manduco e Hélio. Comercial: Cavani; Alfredo e Paschoal; Pian, Clóvis e Alan; Durval, Tico, Gino Orlando, Nardo e Esquerdinha.

Jogando de camisas brancas, o Juventus parou nas defesas do goleiro Cavani do Comercial. O confronto terminou empatado por 1×1, em jogo válido pelo campeonato paulista de 1952. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 769 – 1 de janeiro de 1953.

Em 1 de novembro de 1953 pelo campeonato paulista, o São Paulo venceu o Comercial por 2×0 no Pacaembu. Na imagem, o primeiro gol do São Paulo marcado por Gino Orlando, um chute que enganou o goleiro Cavani. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 813 – 5 de novembro de 1953.

Cavani disputou boas temporadas no Comercial, embora isso não o contentasse para seguir em frente. Alimentando o sonho de brilhar no concorrido mundo da bola, o rapazola nunca desistiu de fazer sucesso em uma equipe de ponta!

Conforme publicado em 1953 pelo popular Jornal Mundo Esportivo, os amigos Clóvis Nori e Cavani foram encaminhados para testes no Palmeiras pelo olheiro e empresário Pedro Ganzelli.

Ficaram no banco de reservas, mas não entraram em campo! Clóvis Nori nunca mais voltou ao Parque Antártica e depois brilhou no Corinthians e no Juventus, enquanto Cavani permaneceu firme em sua dura caminhada no Comercial.

Até que finalmente, em março de 1954, seus direitos foram negociados com o mesmo Palmeiras, uma oportunidade e tanto para quem batalhou durante tanto tempo.

Com a saída de Oberdan Cattani para o Juventus e o empréstimo do experiente Fábio Crippa junto a Ferroviária de Araraquara (SP), o promissor Cavani recebeu suas primeiras oportunidades como titular e não decepcionou.

Grande formação do Comercial da capital no Estádio do Pacaembu. Em pé: Alan, Pian, Paschoal, Elpídio, Lamparina e o goleiro Cavani. Agachados: Tico, Feijão, Gino Orlando, Dino Sani e Esquerdinha. Crédito: site do Milton Neves.

O zagueiro Juvenal Amarijo acompanha a saída corajosa de Cavani nos pés de Dino do Botafogo. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 837 – 22 de abril de 1954.

Vice-campeão paulista de 1954, Cavani trabalhou muito para manter seu espaço como titular no Palmeiras. Contudo, o companheiro Laércio Milani venceu o duelo no decorrer da competição e recuperou a posição.

Abaixo, uma das participações de Cavani na campanha do Palmeiras durante o certame paulista de 1955, data em que o quadro esmeraldino foi superado pelo Santos no Pacaembu:

24 de setembro de 1955 – Campeonato paulista primeiro turno – Palmeiras 1×3 Santos – Estádio do Pacaembu – Árbitro: Esteban Marino – Gols: Tite, Zito e Del Vecchio para o Santos; Jair Rosa Pinto para o Palmeiras. 

Palmeiras: Cavani; Manoelito e Valdir; Waldemar Fiúme, Ruarinho e Gersio; Renatinho, Ivan, Humberto, Jair Rosa Pinto e Rodrigues. Santos: Manga; Hélvio e Ivan; Ramiro, Formiga e Zito; Alfredinho, Álvaro, Del Vecchio, Vasconcelos e Tite. 

Cavani continuou nas fileiras do Palmeiras até o findar de 1955. Ao todo foram 46 jogos e 72 gols sofridos. Não foram encontrados outros registros sobre a continuidade de sua carreira ou mesmo maiores detalhes de sua vida fora dos gramados.

No Maracanã, Cavani tira o “pão da boca” do atacante Jorginho do América. O Palmeiras venceu por 3×2 em partida pelo Torneio Rio-São Paulo. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 846 – 24 de junho de 1954.

Em 31 de outubro de 1954, o Corinthians venceu o Palmeiras de virada por 3×2 no Pacaembu, jogo válido pelo primeiro turno do campeonato paulista. No Lance, o goleiro Cavani não consegue evitar o gol de empate marcado por Luizinho Trochillo. Crédito: Jornal A Gazeta Esportiva.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar, revista A Gazeta Esportiva Ilustrada, revista do Palmeiras, revista Esporte Ilustrado (por Alberto Ferreira, José Santos, Levy Kleiman e Luís Mendes), Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal dos Sports, Jornal Mundo Esportivo (por Alcides da Silva), campeoesdofutebol.com.br, gazetaesportiva.net, palmeiras.com.br, site do Milton Neves (por Marcelo Rozenberg), Livro: A História do Campeonato Paulista – André Fontenelle e Valmir Storti – Publifolha, albumefigurinhas.no.comunidades.net.