Tags

, , ,

Conhecido pela vizinhança como “Beto”, o baixo rendimento escolar do menino era o principal motivo de preocupação para o casal Luís Severino e Edite Alves Severino.

Mais tarde, ao concluir o curso ginasial, o rapazola só queria saber de bater uma bolinha, ainda que, pressionado pelos pais, a carreira de Desenhista Mecânico parecia ser o caminho mais provável de suas atenções futuras!

Entretanto, o esperado retorno aos bancos escolares balançou, especialmente quando recebeu um convite para treinar nas fileiras do time de “Moça Bonita”.

Luís Alberto Alves Severino nasceu no Rio de Janeiro (RJ) em 5 de novembro de 1942, embora na edição da Revista do Esporte número 286, seu nascimento foi publicado como 4 de novembro de 1943.

Criado do bairro de Bangu, Zona Oeste da cidade do Rio, Luís Alberto ganhou destaque jogando como zagueiro em equipes amadoras da região, até ser encaminhado pelo ex-jogador Eduardo Moura ao Bangu Atlético Clube (RJ).

O quadro do Bangu que conquistou o Torneio Início do campeonato carioca em 1964. Partindo da esquerda; Ocimar, Romeu, Fidélis, Parada, Cabralzinho, Aladim, Tupinambás, Paulo Borges, Luís Alberto, Orestes e Ubirajara. Crédito: revista do Esporte número 280 – 18 de junho de 1964.
Em 1964, Luís Alberto ganhou maior espaço entre os titulares do Bangu, principalmente depois da saída do craque Zózimo Alves Calazans! Foto de Jurandir Costa. Crédito: revista do Esporte número 286 – 29 de agosto de 1964.

Aprovado nas seletivas pelo técnico Moacir Bueno, Luís Alberto rapidamente entregou os documentos na secretaria do clube e foi aproveitado no quadro juvenil, onde rapidamente fez sucesso ao lado do lateral-direito Fidélis.

No mês de abril de 1963 assinou o seu primeiro compromisso profissional com o Bangu. O contrato, com uma duração estipulada em dois anos, rendia ao jovem zagueiro o montante de 70.000 cruzeiros mensais. 

Durante uma excursão do Bangu pelos gramados da América do Sul, no início de 1964, o dedicado Luís Alberto assegurou um lugar como titular sob a batuta do técnico Tim.

Campeão do Torneio Início do campeonato carioca de 1964, o crescimento do futebol de Luís Alberto era uma esperança concreta de chegar ao tão esperado título carioca.

Todavia, o Bangu deixou escapar o “caneco” nas edições de 1964 e 1965 e ficou com um amargo vice-campeonato! Mas, o clima de confiança foi renovado na temporada de 1966, com o comando do técnico argentino Alfredo Gonzalez.

Partindo da esquerda; o goleiro Ubirajara, o zagueiro Luís Alberto e o jovem lateral-esquerdo Pedrinho, que depois jogou pelo Corinthians e pelo Santa Cruz. Crédito: revista do Esporte.
O Bangu posado no Maracanã. Em pé: Mário Tito, Ubirajara, Luís Alberto, Ari Clemente, Fidélis e Jaime. Agachados: Paulo Borges, Araras, Parada, Roberto Pinto e Rezende. Crédito: revista Futebol e Outros Esportes número 10.

A base da equipe contava praticamente com o mesmo elenco de jogadores, muito bem trabalhado anteriormente pelo técnico Elba de Pádua Lima, o lendário Tim.

E no confronto decisivo realizado no dia 18 de dezembro de 1966, o Bangu venceu o Flamengo por 3×0 e ficou com o título carioca, um duelo que não terminou e ficou marcado pela confusão generalizada que tomou conta do Maracanã!

O árbitro Airton Vieira de Moraes precisou expulsar de campo cinco jogadores do Flamengo: Almir, Itamar, Paulo Henrique, Silva e Valdomiro; além de mais quatro jogadores do Bangu: Ari Clemente, Ladeira, Luís Alberto e Ubirajara.

Ainda pelo Bangu, Luís Alberto conquistou também o Torneio dos Campeões em 1967, o Torneio Quadrangular de Campinas em 1968 e o Torneio Romeu Dias Pinto em 1972, sem esquecer do vice-campeonato carioca de 1967.

Saiu de “Moça Bonita” somente em 1971, quando foi emprestado para o Clube de Regatas do Flamengo (RJ). Foram apenas seis participações pelo time da Gávea.

Bangu e Flamengo no Maracanã! Partindo da esquerda; Ademar Pantera, Luís Alberto e o goleiro Ubirajara. Crédito: revista do Esporte número 426 – Maio de 1967.
Mais uma expulsão de Luís Alberto, um recordista de cartões vermelhos enquanto defendeu o Bangu! Crédito: revista do Esporte número 528.

Voltou ao mesmo Bangu em 1972, para em seguida defender o América (MG) e o Americano Futebol Clube de Campos dos Goytacazes (RJ). Encerrou a carreira como jogador no Bangu em 1975. (*) Algumas fontes apontam ainda uma passagem pelo Houston Stars da liga norte-americana.

Conforme publicado no site “bangu.net”, o zagueiro Luís Alberto disputou ao todo 308 jogos pelo Bangu. Foram 133 vitórias, 78 empates, 97 derrotas e 9 cartões vermelhos.

Ao deixar os gramados definitivamente, Luís Alberto continuou no mundo do futebol como treinador. Orientou o Bangu em duas oportunidades entre 1977 e 1978 e no ano de 1997.

Trabalhou também como treinador no Americano (RJ), América (MG), Esportivo (MG), Rio Branco (ES), Tupi (MG) e em alguns países asiáticos durante muito tempo.

Luís Alberto Alves Severino faleceu no dia 21 de maio de 2020 na cidade do Rio de Janeiro. Ele estava internado desde o dia 13 de abril no Hospital Eduardo Rabello, em Campo Grande, na Zona Oeste.

Subindo na vida! Para quem sonhava em trabalhar como Desenhista Mecânico, Luís Alberto ganhou fama como jogador e também como treinador. Crédito: bangu-ac.com.br.
Emprestado pelo Bangu ao Flamengo em 1971, Luís Alberto teve uma passagem discreta pela Gávea! Foto de Sebastião Marinho. Crédito: revista Placar número 79 – 17 de setembro de 1971.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Aristélio Andrade, Fausto Neto, José Pinto e Sebastião Marinho), revista do Esporte (por Jurandir Costa e Tarlis Batista), revista O Cruzeiro, revista Fatos e Fotos, revista Futebol e Outros Esportes, Jornal dos Sports, Jornal O Globo, bangu-ac.com.br (por João Carlos Gomes), bangu.net (por Carlos Molinari), campeoesdofutebol.com.br, albumefigurinhas.no.comunidades.net.