Tags

, , ,

Intitulado como “Um pivô e tanto”, o artigo especial publicado nas páginas do Jornal Mundo Esportivo número 340 – edição de 18 de abril de 1952 – ofereceu aos leitores um pouco da trajetória do gaúcho Touguinha.

Jogador dedicado, Touguinha ganhou grande destaque defendendo o Grêmio e depois o Corinthians, onde inclusive era reverenciado pela Fiel Torcida como “O Pai da Bola”, o mesmo apelido de Waldemar Fiume no Palmeiras.

O parrudo centromédio Touguinha também ficou conhecido pela elegância e eloquência, principalmente em suas entrevistas no meio esportivo. Era um verdadeiro “gentleman” no trato com dirigentes, imprensa e torcedores.

Nascido no dia 14 de fevereiro de 1923, na cidade de Rio Grande (RS), Clóvis Touguinha dos Santos despontou para o futebol em 1942, nas fileiras do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense (RS).

(*) Algumas fontes apontam que antes do Grêmio, Touguinha defendeu o Sport Club Rio Grande (RS) no período entre 1940 e 1942. Por outro lado, a maioria dos registros omite sua passagem pela Associação Ferroviária de Esportes de Araraquara (SP).

O Grêmio que conquistou o campeonato Citadino e o título gaúcho de 1946. Em pé: O técnico Otto Pedro Bumbel, Jorge, Joni, Touguinha, Clarel, Tonelli, Julio, Sanguinetti, o massagista Coratti e o presidente Dr. José Gerbasi. Agachados: Bentevi, Hélio, Beresi, Gaitero, Massinha, Segura e Cordeiro. Crédito: revista Grêmio 70 número 4 – Hélio Devinar (Diagramação).
Assim como Waldemar Fiume no Palmeiras, o centromédio Touguinha também foi reverenciado pelos torcedores do Corinthians como o “Pai da Bola”. Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 225 – Sexta Feira, 15 de dezembro de 1950.

Pelo Grêmio, Touguinha faturou o campeonato gaúcho de 1946, um feito muito comemorado em razão do domínio do Internacional entre 1940 e 1955 (com exceção das edições de 1946 e 1949, quando o tricolor gaúcho conquistou o “caneco”).

Touguinha permaneceu no Grêmio até o findar de 1948, quando seus direitos foram negociados com o Sport Club Corinthians Paulista (SP), que naquele momento procurava reforçar o elenco.

No time do Parque São Jorge, a tarimba de Touguinha foi determinante para o amadurecimento de uma nova geração de craques talentosos; como Cabeção, Luizinho Trochillo, Roberto Belangero e o ponteiro Colombo.

Outro momento especial de Touguinha no Corinthians aconteceu na vitória diante da Portuguesa por 2×0 no dia 8 de maio de 1949. Nesse dia, o alvinegro entrou em campo com a camisa do Torino, uma homenagem ao time italiano, que perdeu todo o elenco no acidente aéreo ocorrido em 4 de maio de 1949.

Campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1950 e campeão paulista de 1951, Touguinha foi aos poucos perdendo o lugar de titular na temporada de 1952, quando acabou emprestado para jogar na Ferroviária de Araraquara.

Meio-campista de muita qualidade, Touguinha conquistou títulos e o carinho da Fiel Torcida! Crédito: revista do Corinthians número 15 – Janeiro de 1951.
O esquadrão do título paulista de 1951. Em fila, partindo da esquerda; Cabeção, Baltazar, Touguinha, Jackson, Lorena, Murilo, Idário, Carbone, Julião, Luizinho Trochillo, Cláudio e o técnico Rato. Crédito: revista Placar – 50 times do Corinthians.

Jogando pelo Corinthians foram 126 partidas disputadas com 4 gols marcados. Os números foram publicados pelo Almanaque do Corinthians, do autor Celso Dario Unzelte.

Abaixo, uma das participações de Touguinha na memorável campanha que levou o Corinthians ao título do Torneio Rio-São Paulo de 1950:

28 de dezembro de 1949 – Torneio Rio-São Paulo – Corinthians 4×1 São Paulo – Estádio do Pacaembu (SP) – Árbitro: Godfrey Sunderland (Inglaterra) – Gols: Nelsinho e Baltazer (3) para o Corinthians; Teixeirinha para o São Paulo.

Corinthians: Bino; Nilton e Belfare; Idário, Touguinha e Hélio (Roberto); Cláudio, Luizinho Trochillo, Baltazar, Nelsinho e Colombo. Técnico: Manoel dos Santos e Christino Calaf. São Paulo: Bertolucci; Savério e Mauro; Bauer, Rui e Noronha; Friaça, Ponce de León, Leônidas, Leopoldo e Teixeirinha. Técnico: Vicente Feola.

Vestindo a camisa grená da Ferroviária, Touguinha foi vice-campeão da Segunda Divisão do futebol paulista em 1952. O título ficou com o Linense, que derrotou o quadro de Araraquara por 3×0 no Estádio do Pacaembu.

Álbum de figurinhas Balas Federação. Cromo de Touguinha na página do Corinthians. Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.
Durante o campeonato paulista de 1951, Touguinha aparece ao lado da esposa com seu tradicional chimarrão! Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 312 – Terça Feira, 8 de janeiro de 1952.

Em tarde de muita chuva, o goleiro do Linense pegou tudo, enquanto Américo Murolo, em jornada muito feliz, marcou os três gols da maiúscula vitória do “Elefante da Noroeste” por 3×0:

31 de maio de 1953 – Campeonato Paulista – Segunda Divisão – Linense 3×0 Ferroviária – Estádio do Pacaembu (SP) – Árbitro: Querubim da Silva Torres – Gols: Américo Murolo (3) para o Linense.

Linense: Inocêncio; Rui e Noca; Frangão, Geraldo e Ivan; Alfredinho, Américo Murolo, Washington, Próspero e Alemão. Ferroviária: Sandro; Sarvas e Pixo; Touguinha, Gaspar e Pierre; Omar, Luis Rosa, Vaguinho, Zé Amaro e Luís.  

Ao deixar os gramados, Touguinha trabalhou como treinador e em 1957 firmou compromisso com os dirigentes do Grêmio Esportivo Brasil de Pelotas (RS).

Não foram encontrados elementos devidamente confirmados sobre outras atividades de Touguinha fora do mundo da bola! Seu falecimento ocorreu em 1967 na cidade de Porto Alegre por causa desconhecida.

Na noite de 9 de julho de 1952, Corinthians e Portuguesa empataram por 3×3 em amistoso disputado no Pacaembu. No lance, partindo da esquerda; Pinga e Julinho Botelho são cercados por Murilo, Roberto (camisa 6) e Touguinha. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 745 – 17 de julho de 1952.
O quadro da Ferroviária de Araraquara que foi derrotado pelo Linense por 3×0 no Pacaembu. Decisão da Segunda Divisão do campeonato paulista de 1952, jogo realizado no dia 31 de maio de 1953. Em pé: Touguinha, Sarvas, Pixo, Sandro, Pierre, Gaspar e Dr. Galucci. Agachados: Omar, Zé Amaro, Vaguinho, Luís Rosa e Luís. Crédito: ferroviariaemcampo.blogspot.com.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar, revista do Corinthians, revista Esporte Ilustrado (por Alberto Ferreira, Leunam Leite, Luís Mendes e Pinho Júnior), revista Grêmio 70 (por Edison Pires e Hélio Devinar), revista O Globo Sportivo, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal Mundo Esportivo (por Antônio Guzman), campeoesdofutebol.com.br, corinthians.com.br, ferroviariaemcampo.blogspot.com, gazetaesportiva.com, gremio.net, site do Milton Neves (por Roberto Gozzi), Almanaque do Corinthians – Celso Dario Unzelte, Livro: Timão 100 Anos – Celso Dario Unzelte – Editora Gutenberg, albumefigurinhas.no.comunidades.net.