Tags

, , ,

Confiante e esbanjando muita vontade, Odorico sempre impressionou pela regularidade e capacidade de antecipar jogadas no tempo certo, o que lhe rendeu o curioso apelido de “Cronômetro”.

Nascido em Porto Alegre (RS), no dia 2 de julho de 1930, Odorico Araújo Goulart marcou época defendendo o Sport Club Internacional (RS), a Associação Portuguesa de Desportos (SP) e o Esporte Clube São Bento de Sorocaba (SP).

Ao encerrar sua caminhada nos gramados em 1965, Odorico trabalhou como treinador, inclusive no São Bento de Sorocaba durante o “paulistão” de 1969. Seu falecimento ocorreu na capital gaúcha, em 22 de agosto de 2005.

Munido de boas qualidades técnicas, o rapazola Odorico despontou na várzea porto-alegrense, assim permanecendo até meados de 1947, quando foi aproveitado nos quadros de base Internacional.

Zagueiro de origem, Odorico também era utilizado como lateral-esquerdo e como centromédio. Em 1950 foi efetivado no elenco principal do “Colorado”, não demorando muito para encontrar um lugar como titular.

Odorico começou na várzea porto-alegrense, assim permanecendo até o findar de 1947, quando foi encaminhado aos quadros de base do Sport Club Internacional. Crédito: revista O Cruzeiro – Encarte Ídolos do Futebol Brasileiro.
O esquadrão do Inter, que dominou o cenário gaúcho na primeira metade da década de 1950. Em pé: Oreco, La Paz, Florindo, Lindoberto, Odorico e Mossoró. Agachados: Luizinho, Bodinho, Larry, Jerônimo e Chinesinho. Crédito: revista Esporte Ilustrado.

Conquistou o campeonato gaúcho pelo Inter nas edições de 1950, 1951, 1952, 1953 e 1955, um período de domínio absoluto, que só foi interrompido em 1954, com o memorável título do Grêmio Esportivo Renner.

Vivendo uma grande fase, Odorico também fez parte do escrete canarinho, que brilhantemente conquistou o Campeonato Pan-Americano de 1956, disputado no México.

Com uma equipe formada por um combinado de jogadores gaúchos, o time rendeu muito bem sob o comando exigente do técnico José Francisco Duarte Júnior, o famoso “Teté”.

Os pupilos do técnico “Teté” colecionaram quatro vitórias e um empate na campanha do Pan-Americano de 1956: Brasil 2×1 Chile; Brasil 1×0 Peru; Brasil 2×1 México; Brasil 7×1 Costa Rica e Brasil 2×2 Argentina.

Nome sempre lembrado também para servir o selecionado gaúcho, Odorico continuou firme nas fileiras do Internacional até 1957, quando foi negociado com os dirigentes da Portuguesa de Desportos.

Apelidado de “Cronômetro”, Odorico impressionava pela regularidade e capacidade de antecipar jogadas no tempo certo! Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 744.- Terça Feira, 6 de março de 1956.
O combinado gaúcho que em 1956 conquistou o Campeonato Pan-Americano disputado no México. Em pé: Sérgio Moacir, Oreco, Florindo, Odorico, Ênio Rodrigues e Duarte. Agachados: Luizinho, Bodinho, Larry, Ênio Andrade e Raul Klein. Crédito: revista A Gazeta Esportiva Ilustrada número 61 – Abril de 1956.

Jogando pela Lusa, Odorico participou do elenco que chegou com méritos ao vice-campeonato paulista de 1960.  Abaixo, uma grande vitória da Portuguesa de Odorico sobre o Santos.

(*) O Santos acabou beneficiado no andamento da competição e ficou com o “caneco”, principalmente graças ao tropeço da Portuguesa diante do Noroeste em Bauru por 5×2, em partida disputada no dia 11 de dezembro.   

28 de setembro de 1960 – Campeonato paulista – Segundo Turno – Santos 3×4 Portuguesa de Desportos – Estádio da Vila Belmiro – Santos (SP) – Árbitro: Anacleto Pietrobom – Gols: Pavão, Pelé e Sormani para o Santos; Servílio (2) e Silvio (2) marcaram pela Portuguesa e Desportos.

Santos: Irno; Feijó (Urubatão), Pavão e Dalmo; Fioti e Calvet; Sormani, Jair Rosa Pinto, Ney, Pelé e Tite. Técnico: Lula. Portuguesa de Desportos: Felix; Nelson, Ditão e Lever; Odorico e Vilela; Jair, Silvio, Servílio, Ocimar e Nilson. Técnico: Nena.

Emprestado em 1961 ao Esporte Clube São Bento da cidade de Sorocaba (SP), Odorico entrou para os livros de história do clube ao conquistar o campeonato paulista da Primeira Divisão de 1962 (atual Série A2).

Importante na adaptação de Odorico no futebol paulista, o conterrâneo Nena (esquerda) também trabalhou como treinador na Lusa. Crédito: revista Esporte Ilustrado.
Partindo da esquerda; Odorico, Solange Bibas (Redator do Jornal A Gazeta Esportiva), Oreco e Otávio Muniz da Rádio Panamericana. Crédito: Jornal A Gazeta Esportiva número 9581 – 19 de janeiro de 1957.

(*) Algumas fontes encontradas (sem comprovação suficiente) apontam o regresso de Odorico para completar o elenco da Portuguesa de Desportos nas temporadas de 1964 e 1965.

O comemorado acesso do São Bento só foi confirmado no mês de fevereiro de 1963, com três partidas muito equilibradas contra o América da cidade de São José do Rio Preto:

– 10/02/1963 – América 0x0 São Bento em Rio Preto; 17/02/1963 – São Bento 1×1 América em Sorocaba; 22/02/1963 – São Bento 2×1 América no Estádio do Pacaembu conforme os registros abaixo:

22 de fevereiro de 1963 – Campeonato Paulista da Primeira Divisão de 1962 – Terceira partida decisiva – São Bento 2×1 América – Estádio do Pacaembu – Árbitro: Anacleto Pietrobom – Gols: Nestor e Picolé para o São Bento; Dirceu para o América.

São Bento: Valter; Julião, Odorico e Salvador; Nestor e Paulinho; Raimundo, Cabral, Picolé, Bazaninho e Paraná. América: Reis; Murilo, Gutemberg e Ambrósio; Fogueira e Renatinho; Colada, Sapucaia, Valter, Cuca e Dirceu.

Na Portuguesa de Desportos, Odorico fez parte de grandes equipes, inclusive na temporada de 1960, quando o quadro luso chegou ao vice-campeonato paulista. Crédito: reprodução revista A Gazeta Esportiva Ilustrada número 121 – 1ª quinzena de Outubro de 1958.
Na coluna “Camisa 12” da revista Placar, um breve histórico de Odorico, que na imagem aparece ao lado de Salvador. Crédito: revista Placar número 36 – página 45 – 20 de novembro de 1970.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Albino Castro Filho, Dagomir Marquezi, Divino Fonseca, Emanoel Mattos e Mauro Pinheiro), revista A Gazeta Esportiva Ilustrada (por José Bento Lenzi e Orlando Duarte), revista Esporte Ilustrado, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista O Cruzeiro – Encarte Ídolos do Futebol Brasileiro, Jornal A Gazeta Esportiva, Jornal Mundo Esportivo, Jornal Paraná Esportivo, acervosantosfc.com (por Gabriel Santana), campeoesdofutebol.com.br, historiadofutebol.com (por Julio Diogo), internacional.com.br, site do Milton Neves (por Eliana Santos), albumefigurinhas.no.comunidades.net.