Mário Tilico… o pé-quente dos primórdios da Taça Guanabara

Tags

, , ,

Filho de Arnaldo Gomes da Costa e Anunciata Gomes da Costa, Amaro Gomes da Costa nasceu em Recife (PE) no dia 30 de abril de 1942, embora algumas fontes registrem o dia 30 de maio de 1942.

Despontou ainda menino nas categorias amadoras do Santa Cruz Futebol Clube (PE), talvez o período do aparecimento do apelido de “Mário Tilico”, que não foi devidamente elucidado nas pesquisas.

Reconhecido por sua velocidade acima da média, Mário Tilico passou com brilho por diversas categorias, até chegar bem avaliado ao quadro juvenil do Santa Cruz.

Algum tempo depois, o arisco atacante foi promovido ao time de Aspirantes e não decepcionou! Inicialmente como ponteiro-direito, Mário Tilico também era utilizado eventualmente como centroavante ou ponta-esquerda.

Em 1960 foi pretendido por representantes do Club de Regatas Vasco da Gama (RJ), uma transferência frustrada por inúmeros motivos, entre eles uma pronta interferência dos pais ao descobrirem o plano de fuga do rapazola para o Rio de Janeiro.

Esperança renovada nas fileiras do Vasco! Mário Tilico e Célio Taveira foram apresentados com muito prestígio em São Januário. Crédito: revista do Esporte número 205 – Fevereiro de 1963.

Mário Tilico não dispensava uma boa feijoada. Como passatempo adorava ouvir seus discos prediletos e passar o final de tarde na praia! Crédito: revista do Esporte.

Finalmente em 1962, Mário Tilico deixou o Arruda e firmou compromisso com a Associação Portuguesa de Desportos (SP), uma passagem apenas modesta e visivelmente prejudicada pela falta de adaptação ao clima da “Terra da Garoa”.

O certo é que em janeiro de 1963, o Vasco da Gama novamente entrou firme no concurso do promissor Mário Tilico. Assim, pelo valor de 5 milhões de cruzeiros, o atacante pernambucano foi apresentado aos torcedores em São Januário.

Bem recebido pelo treinador Jorge Vieira, Mário Tilico logo foi relacionado para fazer parte do grupo que embarcou para uma excursão com destino ao México e América Central.

Pelo “cruzmaltino”, Mário Tilico viveu um grande momento na conquista da Taça Guanabara de 1965. Continuou no Vasco até o início da temporada de 1966, quando seus direitos foram negociados com o Fluminense Football Club (RJ).

No time das Laranjeiras, ao lado de Amoroso, Jardel, Lula e Samarone, Mário Tilico conquistou novamente a Taça Guanabara na edição de 1966. Contudo, sua permanência no tricolor carioca não foi muito longa!

Mário Tilico e Zezinho, dois grandes valores do “cruzmaltino” antes de mais um clássico contra o Botafogo. Crédito: revista do Esporte número 330 – 3 de julho de 1965.

O Vasco campeão da Taça Guanabara de 1965. Em pé: Gainete, Joel, Brito, Maranhão, Fontana e Oldair. Agachados: Luizinho, Mário Tilico, Célio, Lorico e Zezinho. Crédito: revista do Esporte número 356 – Janeiro de 1966.

No segundo semestre de 1967, o bom futebol de Mário Tilico entrou na mira dos dirigentes do Bangu Atlético Clube (RJ), que na época procurava por um bom substituto para Cabralzinho.

Integrante do elenco vice-campeão carioca de 1967, Mário Tilico foi lembrado para servir o escrete canarinho na disputa da Copa Rio Branco, compromissos em que não foi escalado pelo técnico Aymoré Moreira.

Como titular na Seleção Brasileira, Mário Tilico atuou na vitória diante do Chile por 1×0, jogo amistoso disputado no Estádio Nacional de Santiago em 19 de setembro de 1967.

Defendeu ainda o América (RJ) por empréstimo em 1969, para logo em seguida voltar ao elenco do Bangu em 1970. Algumas fontes apontam também uma segunda passagem pela mesma Portuguesa de Desportos.

De acordo com os registros divulgados pelo site “bangu.net”, o atacante Mário Tilico disputou ao todo 84 partidas com a camisa do alvirrubro de “Moça Bonita”. Foram 38 vitórias, 17 empates, 29 derrotas e 27 gols marcados.

No gramado de São Januário, Mário Tilico aparece ao lado de Odair Barchi. Crédito: revista do Esporte Número 368 – 26 de março de 1966.

Mário Tilico e Jardel, os primeiros reforços do Fluminense para a temporada de 1966. Crédito: revista do Esporte número 367 – 19 de março de 1966.

Abaixo, uma importante participação de Mário Tilico no confronto decisivo do campeonato carioca de 1967, quando o time da Estrela Solitária ficou com o título:

17 de dezembro de 1967 – campeonato carioca – Botafogo 2×1 Bangu – Estádio do Maracanã – Árbitro: Antônio Viug – Gols: Roberto aos 12’ e Gerson aos 67’ para o Botafogo; Mário Tilico aos 51’ para o Bangu. 

Botafogo: Manga; Paulistinha, Zé Carlos, Leônidas e Valtencir; Carlos Roberto e Gerson; Rogério, Roberto, Jairzinho e Paulo Cesar. Técnico: Zagallo. Bangu: Ubirajara; Cabrita, Mário Tito, Luís Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Mário Tilico, Del Vecchio e Aladim. Técnico: Plácido Monsores.

Mário Tilico é pai do famoso atacante Mário de Oliveira Costa, que também ficou conhecido como “Mário Tilico” e fez muito sucesso com a camisa do tricolor paulista entre 1988 e 1991.

Conforme nota de pesar publicada no site “fluminense.com.br”, Amaro Gomes da Costa faleceu na cidade do Rio de Janeiro (RJ), em 19 de dezembro de 2019.

O Vasco da Gama agora é passado! Caxias e Mário Tilico aparecem felizes nas Laranjeiras. Crédito: revista do Esporte número 394.

O Fluminense campeão da Taça Guanabara de 1966. Em pé: Vitório, Oliveira, Caxias, Denílson, Altair e Bauer. Agachados: Massagista Santana, Amoroso, Jardel, Samarone, Mário Tilico e Lula. Crédito: revista Futebol e Outros Esportes.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Ignácio Ferreira e Teixeira Heizer), revista do Esporte, revista Futebol e Outros Esportes, revista Grandes Clubes Brasileiros, revista O Cruzeiro, Jornal dos Sports, Jornal O Globo, bangu.net, campeoesdofutebol.com.br, fluminense.com.br, globoesporte.globo.com, kikedabola.blogspot.com, albumefigurinhas.no.comunidades.net.