Tags

, , ,

Dá para imaginar a cena: Apoiado em cima de um caixote e acompanhado por uma banda de música, um senhor de cartola e fraque listrado inicia sua propaganda entusiasta com um megafone no movimentado viaduto do Chá:

– Respeitável público, no próximo domingo, no picadeiro do Estádio Municipal do Pacaembu, mais um duelo imperdível entre o malabarista Luizinho Trochillo e o fidalgo Luiz Villa…

Que o atrevido Luizinho Trujillo tinha uma enorme facilidade para passar o couro entre as pernas de seus adversários não é nenhuma novidade, principalmente para aqueles que conhecem os causos envolvendo o “Derby”.

E Luizinho fez isso em muitos confrontos, principalmente contra o argentino Luiz Villa quando defendia o Palmeiras na primeira metade dos anos cinqüenta.

Os jornais, em verdadeiro tom de um espetáculo circense, aproveitavam para promover o duelo individual antes dos clássicos. Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 417 – Sexta Feira, 16 de janeiro de 1953.

Os jornais, em verdadeiro tom de um espetáculo circense, aproveitavam para promover o duelo individual antes dos clássicos. Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 417 – Sexta Feira, 16 de janeiro de 1953.

Embora Luiz Villa também tenha levado vantagem em duelos contra o “Pequeno Polegar”, os jornais da época caprichavam nos superlativos e comentários, um tanto sensacionalistas, quando Luizinho se dava bem frente ao argentino.

Em depoimento ao programa Grandes Momentos do Esporte, exibido pela TV Cultura, o próprio Luizinho colocou um ponto final na lenda que pregava que ele sentou na bola após mais uma de suas fintas em Luiz Villa:

… Eu tinha muita facilidade para passar a bola por debaixo das pernas de qualquer um. Em uma única partida fiz isso algumas vezes contra o Luíz Villa. Mesmo assim, ele não apelou em nenhum lance… Era insistente o danado.

… Sentar na bola eu não sentei, mas judiei muito dele! Era um gentleman… Se fosse outro teria me quebrado…

Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Uma das formações do Palmeiras em 1950. Partindo da esquerda, em pé: Turcão, Oberdan, Sarno, Luiz Villa, Salvador e Waldemar Fiume. Agachados na mesma ordem: Nestor, Rodrigues, Montagnolli, Jair Rosa Pinto e Brandãozinho.

Uma das formações do Palmeiras em 1950. Partindo da esquerda, em pé: Turcão, Oberdan, Sarno, Luiz Villa, Salvador e Waldemar Fiume. Agachados na mesma ordem: Nestor, Rodrigues, Montagnolli, Jair Rosa Pinto e Brandãozinho.

O cavalheiro Luiz Villa nasceu no dia 19 de maio de 1921, em La Plata, na Argentina. Na juventude, jogava como meia esquerda até ser encaminhado ao Club Atlético Talleres da cidade de Córdoba.

E foi jogando pelo Talleres que Luiz Villa chegou ao profissionalismo. Recuado para jogar como centro-médio, também atuava muito bem como zagueiro.

Depois de boas temporadas no Talleres, Villa foi transferido para o Estudiantes, quando chegou ao selecionado argentino.

Aos 29 anos de idade, Luiz Villa estava no auge de sua forma até que um desentendimento com o treinador o colocou no banco de reservas.

O tempo foi passando e Villa percebeu que não voltaria mais ao time. Foi então que o interesse do Palmeiras chegou aos seus ouvidos. Preocupado, tomou coragem ao lembrar da experiência positiva de Sastre no futebol brasileiro.

Luiz Villa e Salvador. Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 212 - Sexta Feira, 15 de setembro de 1950.

Luiz Villa e Salvador. Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 212 – Sexta Feira, 15 de setembro de 1950.

Palmeiras campeão do Torneio Rio-São Paulo 1951. Em pé: Salvador, Oswaldo, Dema, Oberdan, Luiz Villa e Waldemar Fiume. Agachados: Lima, Aquiles, Liminha, Jair e Rodrigues. Crédito: revista Vida Esportiva Paulista – Maio de 1951.

Palmeiras campeão do Torneio Rio-São Paulo 1951. Em pé: Salvador, Oswaldo, Dema, Oberdan, Luiz Villa e Waldemar Fiume. Agachados: Lima, Aquiles, Liminha, Jair e Rodrigues. Crédito: revista Vida Esportiva Paulista – Maio de 1951.

Quando o negócio com o Palmeiras foi anunciado como certo, Villa pensou em deixar sua esposa Marta em La Plata. Mas, Marta não aceitou e embarcou junto com o marido.

Villa assinou seu contrato com o Palmeiras em agosto de 1950, fazendo sua partida de estréia contra o Guarani Futebol Clube de Campinas, no dia 17 de setembro de 1950, com vitória esmeraldina pelo placar de 4×0.

Dotado de um futebol clássico e disciplinado, Luiz Villa não usava apenas de força física para obter sucesso em seus desarmes.

Enquanto jogou pelo Palmeiras, Villa formou boas linhas defensivas ao lado de companheiros como Oberdan Cattani, Fabio Crippa, Salvador, Turcão, Juvenal Amarijo, Francisco Sarno, Manoelito, Dema (Ademar Lucazecchi) e Waldemar Fiume.

O valente Luiz Villa recebe atendimento médico no vestiário. Crédito: revista O Globo Sportivo número 651 – 4 de agosto de 1951.

Depois de uma vitória por 2×1 (12/7/1951) e um empate em 0x0 (15/7/1951) diante do Vasco, o Palmeiras se classificou para o encontro final da Copa Rio de 1951. Na foto, vemos Luiz Villa, em destaque, em uma perigosa investida do ataque cruzmaltino. Crédito: revista Esporte Ilustrado número 693 – 19 de julho de 1951.

O argentino também é lembrado por sua importante participação no período de ouro marcado pela conquista das “Cinco Coroas”:

– 1ª Coroa: Taça Cidade de São Paulo de 1950; 2ª Coroa: Campeonato Paulista de 1950; 3ª Coroa: Torneio Rio-São Paulo de 1951; 4ª Coroa: Taça Cidade de São Paulo de 1951; 5ª Coroa: Copa Rio de 1951.

Além das conquistas no período das “Cinco Coroas”, Luiz Villa também conquistou torneios internacionais: Taça Peñarol em 1951 e o Troféu Cidade do México em 1952.

Luiz Villa permaneceu no Palmeiras até abril de 1953. Ao todo, foram 127 compromissos disputados com 78 vitórias, 22 empates, 27 derrotas e 3 tentos anotados.

Não foram encontrados registros sobre a continuidade de sua carreiras ou mesmo sobre sua vida pessoal depois do futebol.

Crédito: Jornal Mundo Esportivo número 314 – Terça Feira, 15 de Janeiro de 1952.

Crédito: Jornal O Esporte – 1952.

Crédito: Jornal O Esporte – 1952.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar, revista do Esporte, revista El Gráfico, revista Vida Esportiva Paulista, revista O Globo Sportivo, revista Esporte Ilustrado (por Luiz Mendes), revista Grandes Clubes Brasileiros, Jornal Mundo Esportivo, Jornal O Esporte, gazetaesportiva.net, campeoesdofutebol.com.br, site do Milton Neves, jogadoresdopalmeiras.blogspot.com.br, palmeiras.com.br, albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Anúncios