Tags

, , ,

imagem2

Picerni, o homem que fez o Brasil temer o “Azulão, montou um time solto, que sempre buscava a vitória mesmo fora de seus domínios. Em pouco tempo, a garotada só queria vestir a camisa do São Caetano e não se falava em outra coisa na cidade.

Sua trajetória, marcada por inúmeros “vice-campeonatos”, como jogador e treinador, revela por outro lado um homem trabalhador, eficaz e acima de tudo inovador.

O azar em decisões lhe rendeu o apelido de “Jair Vicerni”, o que não reflete sua enorme capacidade de montar e organizar equipes competitivas em seus mais de trinta anos como treinador.

Jair Picerni nasceu em 20 de outubro de 1944 na cidade de São Paulo (SP).

Crédito: revista Placar – 5 de novembro de 2001.

Crédito: revista Placar – 5 de novembro de 2001.

Descendente de italianos, torcedor do Palmeiras e criado na Barra Funda, seu primeiro time foi o Nacional Atlético Clube, tradicional agremiação da Rua Comendador de Souza.

Em seguida, passou pela Sociedade Esportiva Palmeiras, Paulista Futebol Clube da cidade de Jundiaí (SP), Comercial Futebol Clube de Ribeirão Preto (SP) e Guarani Futebol Clube de Campinas (SP).

Contratado pela Associação Atlética Ponte Preta em 1976, Jair viveu seu melhor momento na lateral direita da equipe comandada pelo Técnico Zé Duarte.

Vice-campeão paulista de 1977, Jair permaneceu na Ponte Preta até 1979, quando decidiu deixar os gramados.

Nacional A.C. Em pé: Falconi, Julio, Paulinho, Zico, Vicente e Jair Picerni. Agachados: Ricardo, Airton, Fedato, Adiber e Narciso. Crédito: site do Milton Neves.

Nacional A.C. Em pé: Falconi, Julio, Paulinho, Zico, Vicente e Jair Picerni. Agachados: Ricardo, Airton, Fedato, Adiber e Narciso. Crédito: site do Milton Neves.

O Guarani em 1973 na Rua Javari, em São Paulo. Em pé: Tobias, Moacir, Jair Picerni, Amaral, Flamarion e Ricardo Coscarão. Agachados: Barnabé, Amauri, Washington, Zé Ito e Jáder. Crédito: revista Manchete – Publicado no site do Milton Neves.

O Guarani em 1973 na Rua Javari, em São Paulo. Em pé: Tobias, Moacir, Jair Picerni, Amaral, Flamarion e Ricardo Coscarão. Agachados: Barnabé, Amauri, Washington, Zé Ito e Jáder. Crédito: revista Manchete – Publicado no site do Milton Neves.

Enquanto curtia sua aposentadoria e fazia planos para tocar a vida, foi surpreendido com um convite para assumir o elenco da Ponte Preta.

Seguidor das lições aprendidas com Brandão, Zé Duarte, Armando Renganeschi e Jorge Vieira, Jair começou fazendo o básico e tratando seus ex-companheiros como verdadeiros colaboradores.

Em entrevista publicada na revista Placar, edição de 23 de outubro de 1981, Jair afirmou que dispensava o regime de concentração nas partidas disputadas em Campinas.

Bem aceito pelos jogadores, pela torcida e pela diretoria, realizou um grande trabalho, chegando ao vice-campeonato paulista de 1981.

Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Crédito: albumefigurinhas.no.comunidades.net.

Ruço, camisa 5, e Jair Picerni, em destaque, observam disputa entre Wladimir, Geraldão, Oscar, Polozzi e o goleiro Carlos (encoberto). Segunda partida das finais do Paulistão de 1977 - Crédito: revista Placar - 14 de outubro de 1977.

Ruço, camisa 5, e Jair Picerni, em destaque, observam disputa entre Wladimir, Geraldão, Oscar, Polozzi e o goleiro Carlos (encoberto). Segunda partida das finais do Paulistão de 1977 – Crédito: revista Placar – 14 de outubro de 1977.

Abaixo, os dados da primeira final de “paulistão” disputada por Jair Picerni no comando técnico:

29 de novembro de 1981 – São Paulo 2×0 Ponte Preta – Partida final do campeonato paulista – Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) – Árbitro: Dulcídio Wanderley Boschilia – Renda: CR$ 21.488.900,00 – Público: 63.841 pagantes – Gols: Renato aos 37′ do primeiro tempo e Serginho aos 41′ do segundo tempo. 

São Paulo: Waldir Peres; Getúlio, Gassem (Nei), Darío Pereyra e Marinho Chagas; Almir, Renato e Heriberto; Paulo César (Tatu), Serginho e Mário Sergio. Técnico: Chico Formiga. Ponte Preta: Carlos; Toninho Oliveira, Juninho, Nenê e Odirlei; Zé Mário, Marco Aurélio e Dicá; Edson (Abel), Chicão (Humberto) e Osvaldo. Técnico: Jair Picerni.

Crédito: revista Placar - 16 de dezembro de 1977.

Crédito: revista Placar – 16 de dezembro de 1977.

Crédito: revista Placar - 16 de dezembro de 1977.

Crédito: revista Placar – 16 de dezembro de 1977.

Em seguida, trabalhou na Internacional de Limeira e no Santo André antes de receber um convite do Comitê Olímpico Brasileiro para assumir a equipe olímpica.

E o ano de 1984 foi farto em desafios para Jair Picerni. Medalha de Prata nos jogos de Los Angeles, assinou contrato com o Corinthians no mês de agosto.

Ainda sentindo a ausência de Sócrates, o Corinthians não fazia uma boa campanha no campeonato paulista. Jair Picerni recuperou o time e chegou ao vice-campeonato paulista.

Aclamado e reconhecido, Jair saiu ileso da derrota para o Santos. Prestigiado no cargo, recebeu os reforços Hugo de Leon e Serginho Chulapa, além do providencial retorno de Walter Casagrande.

Crédito: revista Placar – 23 de outubro de 1981.

Crédito: revista Placar – 23 de outubro de 1981.

Indicado por Zé Duarte, Jair se deu bem em seu primeiro trabalho como treinador na "Macaca". Crédito: revista Placar – 23 de outubro de 1981.

Indicado por Zé Duarte, Jair se deu bem em seu primeiro trabalho como treinador na “Macaca”. Crédito: revista Placar – 23 de outubro de 1981.

Os novos contratados, ao lado de Carlos, Édson, Juninho, Wladimir, Dunga, Arthurzinho, Zenon e João Paulo, colocou medo nos rivais. Todavia, esse verdadeiro esquadrão não deu “liga” e Jair Picerni não permaneceu.

Com o interesse da Portuguesa de Desportos, Jair chegou ao Canindé e levou o quadro “Rubro Verde” ao vice-campeonato paulista de 1985.

Continuou sua carreira trabalhando no futebol árabe e posteriormente no Sport Club do Recife, onde conquistou o campeonato brasileiro de 1987. (*Flamengo e Internacional, campeão e vice respectivamente do principal módulo do brasileirão, decidiram não disputar o quadrangular final).

Depois, passou rapidamente pelo futebol português, União São João de Araras (SP), União Barbarense (SP) e Gama (DF), antes de acertar suas bases com a Associação Desportiva São Caetano no ano 2000.

Crédito: revista Placar – 11 de maio de 1984.

Crédito: revista Placar – 11 de maio de 1984.

Dirigindo o “Azulão”, Jair Picerni demonstrou novamente toda a sua capacidade ao conquistar o vice-campeonato brasileiro em 2000 (Copa João Havelange) e 2001, além do vice-campeonato da Libertadores em 2002.

Após rápida passagem pelo Guarani, Jair assumiu o Palmeiras em 2003, conquistando o título da série B.

Entre os vários times que comandou, Jair esteve também frente ao Nacional (SP), Atlético Mineiro (MG), Bahia (BA), Fortaleza (CE), Brasiliense (DF), Sertãozinho (SP) e Red Bull Brasil.

* Jair teve mais de uma passagem pelo Santo André, Palmeiras, Portuguesa de Desportos, Ponte Preta, Guarani, União São João e São Caetano.

O treinador, que continua recebendo convites, atualmente reside em um condomínio na cidade de Vinhedo, nas proximidades de Campinas.

Crédito: revista Placar - 1 de março de 1985.

Crédito: revista Placar – 1 de março de 1985.

O “timaço” eliminado no brasileirão de 1985. Em pé: Carlos, Casagrande, Serginho, Zenon, Dunga e João Paulo. Agachados: De Leon, Juninho, Édson, Biro Biro e Wladimir. Crédito: revista Placar.

O “timaço” eliminado no brasileirão de 1985. Em pé: Carlos, Casagrande, Serginho, Zenon, Dunga e João Paulo. Agachados: De Leon, Juninho, Édson, Biro Biro e Wladimir. Crédito: revista Placar.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: revista Placar (por Maurício Cardoso, João Areosa, Fábio Rocco Sormani e Marco Aurélio Borba), revista Manchete Esportiva, pontepreta.com.br, campeoesdofutebol.com.br, albumefigurinhas.no.comunidades.net, globoesporte.globo.com, site do Milton Neves (por Marcelo Rozenberg).

Anúncios